Fórum audiopt.net
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

O ensino do Português

Ir em baixo

O ensino do Português Empty O ensino do Português

Mensagem  ricardo onga-ku em 16/6/2010, 11:11

Estamos a criar 'alunos que não sabem ler, nem escrever'
sapo.pt - 16 de Junho de 2010, 09:48

Maria do Carmo Vieira quer dar uma 'reguada' ao sistema de ensino português: através da Fundação Francisco Manuel dos Santos (presidida pelo sociólogo António Barreto), lançou esta semana o ensaio 'O ensino do Português'.

Sem pudor, a professora de Língua Portuguesa - já com 34 anos de experiência - dirige duras críticas ao baixo nível de exigência do actual sistema de ensino, aos professores, aos sucessivos Governos, às escolas. No dia em que arranca a primeira fase dos exames nacionais, o SAPO foi ouvi-la.

O ensaio ‘O ensino do Português’ vem apontar o que está mal na educação em Portugal. O seu objectivo era dar uma 'reguada' no sistema educativo?

A escola não pode permanecer tal como está, porque já bateu fundo – e não só em relação ao ensino do português, mas em várias outras matérias. Estamos a ensinar na base daquilo que é fácil, do que não exige esforço, nem trabalho. Estamos a fomentar gerações e gerações de alunos que não pensam, nem sequer sabem falar ou escrever. Ao tornar a facilidade da escola comum para todos, um aluno que venha de um contexto familiar rico, do ponto de vista cultural, não vai ficar prejudicado, porque os pais hão-de ter sempre dinheiro para ele ir para explicadores ou para frequentar boas escolas. Já aqueles que vêm de espaços mais fragilizados socialmente, esses sim é que vão ser torturados e explorados pela sociedade.

(É engraçado que esta forma de democratização do ensino pelo facilitismo não seja inclusiva dos mais desfavorecidos, quando à primeira vista poderíamos pensar que o "nivelar por baixo" seria o método adequado.
Parece óbvia a necessidade de criar novas políticas sociais, baseadas no rigor e na exigência, isto se queremos "ficar" no EURO - não o da bola - e ter um lugar no mundo moderno civilizado.
Está na altura de uma nova revolução, não pela liberdade mas pelo civismo.)


Hoje arrancam os exames nacionais. Também eles são um exemplo desse facilitismo?

Sem dúvida. Não é preciso estudar para um exame. Basta ir com um pouco de sorte e, como aquilo tem muitas cruzes, às vezes é quase 1x2. Estes exames são áridos. Um aluno qualquer que vá fazer aquilo, está a fazer aquilo porque é obrigado a fazê-lo.

E, portanto, não surtem resultados do ponto de vista da aprendizagem?

Tal como estão, creio que não.

Também os programas escolares actuais partilham do mesmo problema?

Os programas são feitos à base da mediocridade. Não têm um fio condutor, não têm um objectivo primeiro. É tudo solto. As coisas estão soltas, e sei isso pela disciplina de Português, que lecciono. No ensino da Literatura, não há uma contextualização do autor. Quando um professor pede a um aluno para estudar a contextualização, encaminha-o para a Internet, quando deve ser o professor a exprimir isso. Se assim não for, o professor não serve para nada.

E, portanto, há um esvaziamento das funções do professor?

Sem dúvida. Esse esvaziamento não atinge apenas os conteúdos, mas também os próprios professores. É quase como nos desertificarem daquilo que nós somos, daquilo que nós temos para dar aos nossos alunos, do nosso estudo, da nossa dignidade enquanto professores.

Nesse caso, quais são os caminhos alternativos onde se deve apostar?

A competência científica de um professor tem que ser novamente privilegiada. Neste momento, não é. É mais prejudicial um aluno ter o professor ‘bom camarada’, mas que não sabe nada e que nada sabe transmitir, do que ter um professor que talvez não seja muito bom pedagogo, mas que tem muita competência científica. É preciso também insistir na formação dos professores: não sabem escrever, não sabem pensar. Gostam, não daquilo que é artístico, mas daquilo que é bonito… Fazem das crianças estúpidas e intuem aquilo que as crianças não são. Qualquer criança responde à exigência, se vir que o seu professor também a estimula.

Tendo em conta tudo o que disse: os pais podem ou não confiar na educação que o sistema hoje dá aos seus filhos?

Não podem. E nem os pais podem ficar descansados. O que este Ministério tem feito, e isso é muito nocivo, é libertar os pais das suas preocupações com os filhos. Parece que tudo fica entregue à escola… Mas os pais são muito importantes no acompanhamento do estudo dos seus filhos. Não é correcto que um aluno passe para a quarta classe sem saber ler, nem escrever. Os pais têm que acompanhar isso, têm que ver que alguma coisa não está a ser bem feita. Os pais têm de voltar a interessar-se.

Defende que as más práticas no sistema educativo já se arrastam desde 2003. Aponta o dedo a algum Governo em particular?

Fui professora a partir de 74/75 e o que se reparava é que, na década de 80, estas teorias já estavam em voga. Se os alunos atingissem os objectivos mínimos, podiam passar – e os objectivos mínimos eram nada. Os alunos foram passando sem saber nada. Este miserabilismo começou nessa altura e agora acentuou-se. Acentuou-se em 2003/2004 com a implementação desta nova reforma. Desde aí, tem sido uma ‘guerra’...

De que resultam estas más opções em matéria de política educativa?

É evidente que neste momento se trabalha para as estatísticas. Houve o desejo de impor uma série de teorias de pedagogia que são perfeitamente caducas. É contra essas teorias que são defensoras da apologia do presente, dos programas televisivos, da subestimação da literatura que eu me pronuncio, porque não condizem com os interesses dos alunos. E as grandes vítimas de tudo isto são os alunos, enquanto o Ministério está a desrespeitar a sua função de Ministério.

Por isso, defende no seu livro que algumas práticas educativas tradicionais deveriam ser retomadas?

Por exemplo, quando se diz que não se deve memorizar, está a pôr-se em causa uma capacidade incrível das crianças que é a memória e a tabuada é para memorizar. Por isso mesmo, é que eu tenho alunos de 12.º ano que às vezes nem sabem quanto é 9x3. Há alunos que não me sabem conjugar os verbos: só me dizem presente, passado e futuro. E isso é porque não se estuda a gramática desde o início.

Diz que a falta de paz no sistema educativo contribuiu para a degradação da sua qualidade. Ainda assim, pede aos professores que desobedeçam às actuais directivas. Em que ficamos?

Esta ‘guerra’ foi suscitada pela imposição de tanta novidade. Era o novo só pelo novo e os professores nunca foram convidados a intervir. Só uma facção – aquela que era a favor destas novas teorias. O que eu peço no meu livro é que é preciso desobedecer a isto: não posso obedecer a quem me vem dizer que eu tenho de ser compreensiva com os erros ortográficos. A paz é um bem essencial para se ensinar, mas se obedecermos a tudo isto, estamos a abandalhar a nossa profissão e isto não é correcto, nem connosco, nem com os próprios alunos. Há momentos em que é forçoso desobedecer, nem que nos ameacem. A mim ameaçaram-me várias vezes…

Quem a ameaçou? Pais?

Não. (silêncio)

O sistema?

O sistema, precisamente.

Mais recentemente, criticou também o programa Novas Oportunidades, pelo facilitismo com que atribuiu competências…

Trata-se de uma fraude e de uma falta de respeito para com as pessoas que acreditaram no programa, Conheço inúmeros alunos que pensavam que voltavam à escola para aprender e aperceberam-se de que não iam aprender nada. Não se faz o 7.º, 8.º e 9.º em três meses, não se faz o 10.º, 11.º e 12.º ano em seis meses. Isto não tem qualquer equivalência, porque se esses alunos fossem questionados, não sobre as matérias até do 10.º,11.º e 12.º, mas sobre qualquer coisa minimamente inteligente, estavam a zero. Eles são a personificação da ignorância, mas uma ignorância que é fomentada pelo próprio sistema e, por isso mesmo, eu digo: é preciso desobedecer a isto.

_________________
"O homem, uma vez abdicando da razão,
não tem defesa contra o absurdo, a monstruosidade,
e tal como um navio sem leme fica à mercê dos ventos.
A esses, a credulidade toma o leme da mão da razão
e a mente converte-se num naufrágio."

Thomas Jefferson
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Voltar ao Topo Ir em baixo

O ensino do Português Empty Re: O ensino do Português

Mensagem  Convidad em 16/6/2010, 20:44

o meu forte aplauso a essa Senhora!! O ensino do Português 253862

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

O ensino do Português Empty Re: O ensino do Português

Mensagem  New Challenger em 16/6/2010, 21:24

Dois aplausos um abraço e um obrigado à senhora.

Como profissional na área, acho uma vergonha o que tem saido do M.E., e à surrealidade que é o sistema de ensino aqui no burgo!

As novas oportunidades e muitos cursos profissionais farão parte de um livro de anedotas desta daqui cem anos!!(já se podia ecrever meia dúzia deles....)

É vergonhoso! E ainda a procissão vai no adro!

_________________
Audio: Amp TagMclaren 60iRv;Tuner TagMclaren T20;Tag McLaren DAC20+CDT20R; Sony XA5ES; MD JA 555ES; Monitor Audio RX1;
Video: Pioneer SC 2022; DVD Pio LX50;Popcorn Hour C200; Col. Monitor Audio Silver 7i; 12i; FXi; LCD Philips 9604

Sons na Serra:TagMclaren 60i + 60iRv;CD Pio PD 9700; Minidisc MD JA 50ES/ JA 333ES/ JA 555ES;
Video
:Pioneer VSX 1015; DVD Pio DV 989; Monitor Audio Silver 7/ 10i/ Kef Coda 7/ + NAD T763/  RS1/ RS LCR/ BR2 / Rel Quake; LED Philips 47PFL7606H

Outside: Minidisc MZ-Rh1.
New Challenger
New Challenger
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 1742
Idade : 50
Localização : Barreiro / Serra da estrela
Ocupação : Mandar políticos à fava
Interesses : Dedicar-me aos hobbies
Data de inscrição : 28/05/2007
Pontos/Reputação : 736

Voltar ao Topo Ir em baixo

O ensino do Português Empty Re: O ensino do Português

Mensagem  vlopes em 16/6/2010, 21:25

As proximas geraçoes, vão pagar esta factura .... O ensino do Português 581125
vlopes
vlopes
Membro Audiopt
Membro Audiopt

Número de Mensagens : 510
Localização : Azeitão
Ocupação : Gestor
Data de inscrição : 18/10/2009
Pontos/Reputação : 673

Voltar ao Topo Ir em baixo

O ensino do Português Empty Re: O ensino do Português

Mensagem  ricardo onga-ku em 16/6/2010, 22:57

vlopes escreveu:As proximas geraçoes, vão pagar esta factura .... O ensino do Português 581125

E nós, que dependemos deles para receber a pensão...

_________________
"O homem, uma vez abdicando da razão,
não tem defesa contra o absurdo, a monstruosidade,
e tal como um navio sem leme fica à mercê dos ventos.
A esses, a credulidade toma o leme da mão da razão
e a mente converte-se num naufrágio."

Thomas Jefferson
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Voltar ao Topo Ir em baixo

O ensino do Português Empty Re: O ensino do Português

Mensagem  Convidad em 16/6/2010, 23:03

O ensino do Português 16044 Pois é deveras preocupante !!!

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

O ensino do Português Empty Re: O ensino do Português

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum