Fórum audiopt.net
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Importância dos acessórios e das medições

4 participantes

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  manel1 15/12/2014, 16:18

holbein menezes escreveu:Minha experiência já próxima do centenário me há ensinado que qualquer sistema EQUILIBRADO, independente do nome e renome da griffe que assina os equipamentos, gera prazer tanto quando ir-se às salas de concerto; aliás, com o advento do Blu-ray e da reprodução DTS 4.1 o prazer é acrescido da satisfação de ouvirem-se detalhes: por exemplo, de que os naipes das orquestras sinfônicas são plural, isto é, não soam uníssono como nos fazia crer a conserva em long playing. Com o Blu-ray 4.1 ouve-se com nitidez um instrumento e outro ainda que em harmonia. Flautas, oboés, clarinetes, fagotes são escutados de per se. Tal como acontece nas transmissões de futebol em HD: o detalhe do drible, a forma da batida do pé na bola, o borborinho na entrada da área, uma falta de pisada do pé do adversário, coisas que a transmissão em analógico não registrava, são detalhes que não vemos no campo desde a arquibancada...

Prazer do detalhe que o espectador da distância da sua cadeira na plateia também não experimenta!

O facto de termos microfones a fazer a captação do som mesmo em cima dos instrumentos, bem como, outros mais afastados que nos permitem obter informação da acustica do ambiente e uma melhor integração dos instrumentos, proporciona aos técnicos de som fazer uma gravação com o melhor dos dois mundos, ou seja, ouvir cada detalhe do som que emana do instrumentos, sem reflecções, bem como ouvir a acustica do ambiente e o resultado da amalgama de som que se gera na sala onde o evento musical decorreu, ora bem, consante o uso que é feitos dessas captações, podemos acabar com uma gravação que melhor ilustra o som que o espectador ouve na primeira fila do espectáculo ou de uma das filas mais afastadas. Qualquer das aproximações é válida, uns gostam mais de estar sentados na primeira fila, outros nas mais atrás, agora, não podemos negar a mais valia de podermos ouvir ''todo'' o som que o instrumento é capaz de nos proporcionar quando estamos perto dele, certas pessoas diriam, ha...mas eu na 10ª fila não ouço isso! E daí, sente-se na primeira. Se o disco que temos em casa nos permite ouvir como se estivessemos na primeira fila, optimo, dirão alguns, que porcaria diriam outros, mas não se esqueçam que são opções que foram tomadas pelo técnico de som, e a gravação que temos em mão não nos agrada, por este facto, paciência, arranjemos outra se for possível, pois o caso oposto também ocorre, no meu ponto de vista ambas as opções estão correctas quando bem executadas. Agora... não confundir o que eu disse com a qualidade das gravações, uma coisa são alhos, outra são bugalhos.

holbein menezes escreveu:
Na minha opinião, a grande diferença persiste no registro dos timbres. Aliás, disse-me um spalla, o som mais agudo do violino chega a "doer" no ouvido do músico durante o espetáculo!

Penso que um bom sistema com uma boa gravação se aproxima muito do que pretende. Aliás, eu aproveitaria para salientar o facto de que na realidade, quase todos os instrumentos de sopro, bateria, vilinos, pianos, entre outros, quando ouvidos de muito perto podem ferir os ouvidos, ora, se durante os espectáculos as captações de som são feitas em cima dos instrumentos, é normal que em determinadas passagens da música possamos sentir desconforto, desde que o técnico de som tenha feito um bom trabalho. Infelizmente passou-se a imagem nos últimos tempos de que um bom sistema de som nunca agride

holbein menezes escreveu:

Chega-se ao paradoxo de que um reles e barato fone de ouvido conseguir reproduzir melhor os timbres do que os mistos Martin Logan, por exemplo. E por quê?

Venha dai uma explicação.

Sem ouvir os dois não me atrevo a explicar, mas certamente tem explicação.

ricardo onga-ku escreveu:
holbein menezes escreveu:Chega-se ao paradoxo de que um reles e barato fone de ouvido conseguir reproduzir melhor os timbres do que os mistos Martin Logan, por exemplo. E por quê?

Venha dai uma explicação.

Em primeiro lugar porque os earphones eliminam o factor "sala"...

R
Não podemos sobrevalorizar o factor sala, pelo menos não neste contexto. Numa sala minimamente decente, sem problemas obvios é perfeitamente possível diferenciar um bom sistema de som de um ruim, atenção que isto não implica que a sala não tenha um contributo importantissimo para o resultado final.




holbein menezes escreveu:

Portanto, o "fator sala" nem "melhora" nem "piora" o som musical; nem os aparelhos; nem cabos e quejandos.

O que DECIDE é o disciplinamento peculiar e próprio de cada ambiente dado, do "fator reflexão". E, para começar, devemos ter presente o "achado" do Professor Amar Bose, de que os sons que nos chegam aos ouvidos numa sala de concerto, 89% são refletidos e apenas 11%, diretos.

Esse é o ponto a partir do qual, com engenho e arte, e muita paciência, poderemos lograr ter um bom ambiente de escuta em nossas casas.

Aqui estamos em desacordo, pois cabos, qualidade da corrente eléctrica, minimização de interferências EMI e RFI e controlo de vibrações têm uma importância tão grande como os equipamentos. Vejam os equipamentos da Naim, por exemplo, podem ver as várias fontes de alimentação separadas que eles disponibilizam, porque? Por causa da qualidade da corrente electrica.
Vejam as soluções técnicas de marcas do calibre da DCS, por exemplo, vejam os cuidados postos na eliminação de vibrações e minimização de interferências EMI e RFI. Uma das difererenças entre os equipamntos de topo e os de gama baixa e média é também nestes cuidados, vejam as imagens de alguns leitores de CD da Esoteric, comparem os de entrada de gama dos topos de gama, estes cuidados ficam patentes à medida que se sobe nos €€€.
Quando aos cabos, não se esqueçam que estamos a falar de corrente eléctrica, de electrões a circular por todo o sistema de som, desde a tomada até à coluna, inclusivamente os cabos, estes variam entre si nas suas caracteristicas resistência, indutância e capacitância, para além de serem sujeitos a interferência RFI e EMI, tudo isto deteriora o sinal musical no seu percurso. Recordo que dentro de qualquer aparelho apesar de serem usados muitas vezes cabos banais, o projecto desse parelho contempla essas caracteristicas dos cabos, os calculos de tensões e resistências, impedancias, são feitos tendo isso em consideração. E já agora, porque razão alguns fabricantes investem um pouco mais na cablagem interna dos seus equipamentos de topo? É porque fica mais bonito, é para audiófilo ver?

manel1
Equipa Audiopt - Moderação
Equipa Audiopt - Moderação

Número de Mensagens : 2073
Localização : Lamego
Ocupação : Electromecanico
Interesses : Música, leitura
Data de inscrição : 02/12/2009
Pontos/Reputação : 2465

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 16/12/2014, 09:54

manel1 escreveu:Aqui estamos em desacordo, pois cabos, qualidade da corrente eléctrica, minimização de interferências EMI e RFI e controlo de vibrações têm uma importância tão grande como os equipamentos.

Eu concordo que os acessórios influenciam o desempenho do sistema mas daí a afirmar que têm a mesma importância acho um exagero desmedido.
Além disso penso que estamos de acordo se eu disser que para observar essa influência é necessário que os equipamentos tenham à partida um desempenho acima da média ou mesmo que o som do sistema seja (artificialmente) "revelador".

manel1 escreveu:Vejam os equipamentos da Naim, por exemplo, podem ver as várias fontes de alimentação separadas que eles disponibilizam, porque? Por causa da qualidade da corrente electrica.

Eu penso que a Naim o faz por uma questão de estratégia comercial.
A Naim é a marca de audio com a clientela mais fiel; estes leais seguidores vão "evoluíndo" nível para nível com um seguidismo feroz e quanto mais etapas existirem até ao cimo da escada mais lucro terá o fabricante.

manel1 escreveu:Vejam as soluções técnicas de marcas do calibre da DCS, por exemplo, vejam os cuidados postos na eliminação de vibrações e minimização de interferências EMI e RFI. Uma das difererenças entre os equipamntos de topo e os de gama baixa e média é também nestes cuidados, vejam as imagens de alguns leitores de CD da Esoteric, comparem os de entrada de gama dos topos de gama, estes cuidados ficam patentes à medida que se sobe nos €€€.

Sem dúvida que todos esses aspectos são importantes, mas penso que o grau de influência é reduzido; julgo que esses cuidados servem acima de tudo para justificar um preço mais elevado.

O meu leitor de CDs tem o transformador colocado fora da caixa e desacoplado desta por meio de uma bolacha de neoprene, um chassis em cobre maciço com compartimentação de circuitos para reduzir interferências, chapas de cobre estampado com um padrão de favos de mel e uma tampa em alumínio de espessura considerável para reduzir a propagação de ressonâncias, uma base de suporte do mecanismo de laser de construção laminada cobre-resina e suportes em cerâmica, um clamp generoso para estabilização do CD.
Não duvido que todos esses cuidados tenham algum impacto no resultado, mas duvido que seja muito relevante em comparação com a alimentação, o grounding ou a etapa analógica...
Curiosamente o cabo de ligação à rede é cativo, com dois condutores de diâmetro semelhante ao de um candeeiro vulgar; será que obtenho algum ganho se o substituir por uma "magueira" audiófila, como o famoso Valhalla que tem 7 condutores (e o meu leitor só precisa de 2)?

Como diria o Rui Borges, a optimização de certos aspectos acessórios pode ser suficiente para ganhar uns centésimos por volta e obter a pole position...
Mas têm muito menos importância do que a aerodinâmica, a suspensão, a direcção ou a potência do motor.

Tudo influencia o desempenho de um equipamento ou sistema, o que varia é o grau da influência.

manel1 escreveu:Quando aos cabos, não se esqueçam que estamos a falar de corrente eléctrica, de electrões a circular por todo o sistema de som, desde a tomada até à coluna, inclusivamente os cabos, estes variam entre si nas suas caracteristicas resistência, indutância e capacitância, para além de serem sujeitos a interferência RFI e EMI, tudo isto deteriora o sinal musical no seu percurso. Recordo que dentro de qualquer aparelho apesar de serem usados muitas vezes cabos banais, o projecto desse parelho contempla essas caracteristicas dos cabos, os calculos de tensões e resistências, impedancias, são feitos tendo isso em consideração. E já agora, porque razão alguns fabricantes investem um pouco mais na cablagem interna dos seus equipamentos de topo? É porque fica mais bonito, é para audiófilo ver?

Em resposta à ultima pergunta, eu diria que é para justificar o preço pedido porque o audiófilo realmente vê (pelo menos tanto quanto ouve).
Existem fabricantes que chegam ao extremo ridículo de colocar as marcas dos componentes electrónicos e de acessórios como os cabos ou os bornes nas especificações técnicas...e têm de ser marcas que os audiófilos conheçam para surtir o efeito (comercial) desejado.

Não nego que a condutividade dos cabos varia consoante o material do condutor, a composição do dieléctrico ou a topologia.
E isso afecta o sinal e consequentemente o "som".
Até a humidade relativa do ar afecta a propagação do som.

Para concluir, concordo que devam ser utilizados cabos adequados mas isso não é sinónimo de cabos de marca audiófila, que têm um preço absurdo e muitas vezes nem sequer são bons condutores (o que lhes permite distinguir-se do som da "manada")...

R
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 16/12/2014, 10:06

ricardo onga-ku escreveu:
holbein menezes escreveu:Chega-se ao paradoxo de que um reles e barato fone de ouvido conseguir reproduzir melhor os timbres do que os mistos Martin Logan, por exemplo. E por quê?

Venha dai uma explicação.

Em primeiro lugar porque os earphones eliminam o factor "sala"...

A minha segunda suspeita tem a ver com a má integração dos painéis com os cones.

Além disso os earphones isolam a escuta do ruído exterior, o que também terá certamente alguma influência no resultado...

R
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  manel1 16/12/2014, 10:47

Viva Ricardo

Vamos por a questão do seguinte modo, você escolhe um sistema de 4000€, eu aposto que eu com um sistema de 2000€ mais os acessórios que eu entender consigo por o sitema mais barato a tocar melhor. Como é lógico se o sistema mais barato tocar melhor é porque os acessórios têm tanta importância como os componentes, certo?
No último Audioshow estive juntamente com a Audiofidem em parceria com a Absolut Sound Vision, eis o sistema:

Amplificação: Crayon
Colunas: Davis Acoustics
DAC: Chord Hugo
Transporte: Attol
Cabos: Audiofidem Nexus Argentum
Dispositivos anti-vibracao: VCS Bronze Al e VCS Base
Gira-discos, pré de phono e fonte de alimentação da AVID

Este foi um dos sistemas mais referênciados como tendo uma excelente qualidade de som, pode comprovar lendo os comentários em alguns fóruns e no site do Hificlube :
http://www.hificlube.net/pt/artigos/eventos/audioshow-2014-lisboa/audioshow-2014-lisboa-parte-3-episodio-8-absolut.aspx
http://www.hificlube.net/pt/artigos/eventos/audioshow-2014-lisboa/audioshow-2014-lisboa-wrap-up-final.aspx

É certo que os componentes usados são de muito boa qualidade, caso contrário não atigiriamos o resultado obtido, mas o sistema estava a tocar muito acima do que o seu preço deixaria antever, nem preciso dizer que para obter a mesma qualidade de som sem uso dos ''acessórios'' teriamos de gastar pelo menos 2 a 3 vezes mais, posso no entanto afirmar que houve sistemas a custarem vária vezes o da nossa sala e não estavam à altura deste.

Há uma celebre frase que diz que um sistema toca bem até ao ponto que o seu elo mais fraco permitir, pois bem, cabos, dispositivos anti-vibração, protecção contra interferências RFI e EMI, corrente electrica, são quase sempre os elos mais fracos. Não tenho dúvidas, que eu com aquilo que você considera acessórios conseguiria colocar o seu sistema a tocar num patamar bem acima da suas prestações actuais.

Há já alguns anos que dedico inumeras horas por dia a testes e estudo daquilo que se considera acessório, de todo este trabalho resultaram alguns frutos que estão em fase de comercialização. Eu sou engenheiro electrotécnico de formação, como tal, sou o primeiro a duvidar dos efeitos que aparentemente não têm explicação, como tal, houve que investigar, experimentar e depois tirar conclusões, tudo como você gosta, de um modo controlado e cientifico, pois bem, a conclusão a que chego é que se fala muito nos fóruns e se acerta pouco, fala-se sem conhecimento de causa e infelizmente muitas vezes, são as pessoas que trabalham com a electrónica as primeiras a desdenhar dos acessórios, pois a essas só posso dizer que ainda têm muito que aprender.

manel1
Equipa Audiopt - Moderação
Equipa Audiopt - Moderação

Número de Mensagens : 2073
Localização : Lamego
Ocupação : Electromecanico
Interesses : Música, leitura
Data de inscrição : 02/12/2009
Pontos/Reputação : 2465

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 16/12/2014, 11:53

Bom dia Fernando,

Eu defendo que o preço não pode ser (nem é) um factor representativo do desempenho (técnico) de um equipamento.
Um amplificador Kondo Ongaku que custa €100.000 tem um desempenho (técnico) medíocre, e há pequenas colunas de 2 vias (topologia limitada no potencial de desempenho) como as Magico Mini que custam 20.000€.
Mas há quem goste, daí que eu não dê importância ao facto de este ou aquele sistema ser referênciado como tendo uma excelente qualidade de som em fóruns ou nos blogs dos "especialistas"...é uma questão de opinião, subjectiva portanto.
A avaliação do desempenho só pode ser partilhada se excluirmos o "gosto" da equação, ou seja, temos de descrever aquilo que estamos a observar pela escuta.
Será possível?

No que se refere ao seu desafio, se um sistema de 4000€ onde 50% do budget foi gasto em acessórios tem um desempenho superior ao de um sistema de 4000€ onde 75 ou mesmo 85% do orçamento foi investido nos equipamentos, há algo de errado nos equipamentos deste último ou a então escolha dos mesmos foi mal efectuada.

Eu concordo com a frase que refere de que um sistema é penalizado pelo desempenho do seu elo mais fraco.
E que para se obter um bom desempenho global é necessário abordar todos os elos fracos, desde os cabos de interligação ao grounding do amplificador, dos op-amps do D/AC aos condensadores do filtro das colunas.
Não só se pode optimizar o sistema através de acessórios como é possível optimizar o desempenho dos equipamentos comerciais melhorando os circuitos e os componentes electrónicos.

O meu amplificador inclui na sua fonte de alimentação um bom filtro de corrente e os cabos que utilizo, de fabrico caseiro, procuram abordar os problemas relativos à condutividade do sinal.
Será que o desempenho do amplificador beneficiaria com a substituição do cabo cativo de origem por um mais audiófilo?

Um suporte que "controla" as vibrações é da maior importância num gira-discos e também pode influênciar a leitura laser, mas terá certamente uma influência infinitesimamente menor num sintonizador ou num conversor D/A.

Mas para aqueles que como eu não sabem "mexer" no interior de um amplificador ou de um conversor D/A, a possibilidade de optimizar o sistema mudando de acessórios é o único caminho viável...
E dá menos nas vistas da Importância dos acessórios e das medições 2rqdixu do que a troca de um equipamento electrónico ou das colunas.

R
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  manel1 16/12/2014, 13:00

Então diga lá Ricardo, para além do gira-discos, qual é na sua opinião o aparelho que mais beneficia com o dispositivos de controle de vibrações?

Se as Magico Mini reproduzirem bem a gama de frequências que cobrem, não vejo qual o mal que possam ter, as colunas não se medem aos palmos e por falar em medições a minha opinião é de que estas devem ser usadas pelos projectistas dos equipamentos para que estes tenham dentro do possível um resposta linear, mas a última palavra é sempre dada pela audição, aliás, hoje em dia cada vez mais se ouve falar de fine tunning dos equipamentos por parte dos fabricantes recorrendo precisamente à audição destes.

manel1
Equipa Audiopt - Moderação
Equipa Audiopt - Moderação

Número de Mensagens : 2073
Localização : Lamego
Ocupação : Electromecanico
Interesses : Música, leitura
Data de inscrição : 02/12/2009
Pontos/Reputação : 2465

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 16/12/2014, 14:01

manel1 escreveu:Então diga lá Ricardo, para além do gira-discos, qual é na sua opinião o aparelho que mais beneficia com o dispositivos de controle de vibrações?

Tudo o que gera (p.ex. um transformador) ou capta (p.ex. sistema célula/braço de um gira-discos) vibrações beneficia de um cuidado especial, desde as paredes da caixa das colunas à ligação entre a fonte de alimentação e a caixa do equipamento.
O fabricante pode ou não ter em conta a necessidade de "controlar" essas vibrações e as suas opções irão ter um impacto mais ou menos profundo no desempenho dos equipamentos.

Mas se colocarmos um dispositivo de controlo de vibrações sob um amplificador a válvulas e os transformadores do mesmo não estiverem desacoplados do chassis, estaremos apenas a minimizar a propagação de vibrações para os outros equipamentos sem isolar as válvulas e outros componentes electrónicos do amplificador da fonte de vibrações...

manel1 escreveu:Se as Magico Mini reproduzirem bem a gama de frequências que cobrem, não vejo qual o mal que possam ter, as colunas não se medem aos palmos e por falar em medições a minha opinião é de que estas devem ser usadas pelos projectistas dos equipamentos para que estes tenham dentro do possível um resposta linear, mas a última palavra é sempre dada pela audição, aliás, hoje em dia cada vez mais se ouve falar de fine tunning dos equipamentos por parte dos fabricantes recorrendo precisamente à audição destes.

A topologia das colunas define o potencial de desempenho destas; neste caso trata-se uma coluna de suporte de duas vias relativamente pequena (50L) com um woofer de 7'' limitada nas capacidades dinâmicas, na extensão das baixas frequências e eventualmente menos imune a distorção por intermodulação ( link ).

O fine tunning ou "afinar de ouvido" dos equipamentos refere-se normalmente a um desvio intencional da "fidelidade" ou "transparência", e na melhor das hipóteses isso poderá acrescentar distorções que são agradáveis a alguns, como acontece com o Kondo Ongaku que referi.

Felizmente há muitos projectistas que se mantêm fiéis à integridade do sinal, ou seja, à alta-fidelidade.

The Audio Amateur:
How do you rate the merits of listening tests to instrument tests?

Peter Walker (Quad)
We designed our valve (tube) amplifier, manufactured it, and put it on the market, and never actually listened to it.
In fact, the same applies to the 303 and the 405.
People say, "Well that's disgusting, you ought to have listened to it."
However, we do a certain amount of listening tests, but they are for specific things.
We listen to the differential distortion - does a certain thing matter?
You've got to have a listening test to sort out whether it matters.
You've got to do tests to sort out whether rumble is likely to overload pickup inputs, or whether very high frequency stuff coming out of the pickup due to record scratch is going to disturb the control unit.
But we aren't sitting down listening to Beethoven's Fifth and saying, "That amplifier sounds better, let's change a resistor or two. Oh yes, that's now better still."
We never sit down and listen to a music record through an amplifier in the design stage.
We listen to funny noises, funny distortions, and see whether these things are going to matter, to get a subjective assessment.
But we don't actually listen to program material at all.

Positive Feedback
What role is listening involved in with respect to the design/measurements…
or does the actual design/measurements take precedent over what you hear…
that is, if I can hear it, who cares how it measures?

Andrew Jones (Pioneer/TAD)
First comes the measurement.
There are a lot of parameters in speakers that can be measured that are known to correlate well with listening.
The problem that I see so often from those who doubt such correlation exists is that they don't know how to measure accurately!
I see their curves and I see the artifacts in the curves that are the result of measurement errors and nothing to do with the behaviour of the speaker itself!
Accurate measurements and a sufficient set of measurements go a long way to revealing the performance, and allow us to get towards the final result very much quicker than with just listening alone.
My approach is to set a design goal for the measured performance, meet this as close as possible, then evaluate the result by listening, but ONLY once I believe I have met the initial design objective.
Then I try and honestly evaluate the result, and if (when……) I hear something wrong I go back and see if I can correlate this to the measurements.
Maybe I was too enthusiastic in my evaluation of having met my target.
Maybe my target is just wrong.
I go back and make changes based on the re-evaluation, then re-listen.
But I am always cross referring to the measurements.

I am not implying that we can measure everything that we hear.
But we can measure a lot so we can shorten the design process.
We can also however hear a lot of what isn't actually there!
We can be easily misled in our hearing evaluation and attribute things that don't really exist.
With too many variables during the design process we can also become confused.
So we have to be as careful in our listening as we have to be in our measuring.

PAROXYSMAL DISCHARGE
What is your personal system at home like?

Daniel Weiss (Weiss)
I don’t have anything special.
I have Chario speakers, an Italian high-end brand.

PAROXYSMAL DISCHARGE
How do you audition the equipment that you build?
Do you do listening tests at all?

Daniel Weiss (Weiss)
No, basically I don’t do that.
I have some Strax headphones for some listening, but I don’t judge the electronics based on listening tests.

PAROXYSMAL DISCHARGE
Does anyone else in the company do that?

Daniel Weiss (Weiss)
No.

PAROXYSMAL DISCHARGE
So it’s purely an engineering product?

Daniel Weiss (Weiss)
Yes.

PAROXYSMAL DISCHARGE
Aren’t you worried then that you’re missing some parameter that you’re not able to measure?

Daniel Weiss (Weiss)
There might be, but we try to measure a lot of different parameters.
Of course you’re never sure you’ve covered it all.
But so far it’s worked out well.
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  manel1 16/12/2014, 16:19

Ó Ricardo, eu não tenho vergonha de dizer que não sei tudo, e que cometo erros, pois sei e admito que estou sempre a aprender, vergonha teria eu se perante as evidencias em contrário áquilo que defendo eu continuasse a insistir nas minhas teorias. Quando iniciei a produção e testes dos VCS, que são os dispositivos para minimizar vibrações que criei, estava convicto de que as vibrações eram mais nefastas quanto mais próximo da origem do sinal, ou seja, gira-discos e leitores de CD, mas na realidade as vibrações são mais nefastas onde as correntes são mais intensas (há que fazer experiências e ver por nós mesmos). Como você disse e bem, o transformador é uma dessas fontes de vibração, mas o local onde um dispositivo anti vibração faz mais efeito é numa régua ou filtro de corrente. É claro que o gira-discos beneficia bastante de um controlo de vibrações eficaz, mas grande parte dos bons leitores de CD não são assim tão sensíveis ás vibrações como os amplificadores.

Citando: ‘’Mas se colocarmos um dispositivo de controlo de vibrações sob um amplificador a válvulas e os transformadores do mesmo não estiverem desacoplados do chassis, estaremos apenas a minimizar a propagação de vibrações para os outros equipamentos sem isolar as válvulas e outros componentes electrónicos do amplificador da fonte de vibrações...’’
Esta afirmação está errada, tanto na prática, como se prova colocando por exemplo um VCS por baixo do amplificador (tenho aparelhos a válvulas em casa), como na teoria, pois ao dissipar as vibrações para uma base que pode ser por exemplo uma pedra de granito, as vibrações que afetam as válvulas são substancialmente reduzidas, também podemos trabalhar acrescentando mais massa aos aparelhos (dumping) impedindo-os de vibrar, podemos também mudar a frequência de vibração para uma gama não audível, usando por exemplo molas sintonizadas.

Ao ler esta frase sua: ‘’ Mas para aqueles que como eu não sabem "mexer" no interior de um amplificador ou de um conversor D/A, a possibilidade de optimizar o sistema mudando de acessórios é o único caminho viável...’’
Fiquei com a ideia de que tinha uma certa pena de não saber o suficiente de eletrónica para poder alterar alguns aparelhos, então e essas pessoas que têm esses conhecimentos e fazem essas alterações, também medem o resultado final? Valerá a pena alterar um amplificador da Quad, ou da Weiss, ou TAD, são porventura os aparelhos dessas marcas os melhores do mundo? Como é que eles determinam se as medições obtidas são ou não suficientemente boas para o áudio. Tem dúvidas que pode encontrar inúmeros aparelhos substancialmente mais baratos de marcas menos conceituadas com iguais ou melhores medições, como é que determina neste caso qual deles é o melhor? Vai pelo preço? Fico com a ideia que para sí o importante no áudio é atingir as melhores medições! Ora o que não faltam por aí são aparelhos a medir muito bem e muitos deles a preços bem em conta, mas depois, vamos a ouvir e aquelas traquitanas não tocam nada, então, como é que separamos o trigo do joio, vai lá com moedinha?

Ricardo, estou certo que andam por aí muitos audiófilos muito ‘’sugestionaveis’’, alguns até poderão fazer umas rezas antes de iniciar a música, mas penso que a maioria não é parva nem surda e devem fazer uma ideia do que soa parecido com a realidade e o que não soa, isto para além do gosto pessoal.
O melhor conselho que posso dar é: Usem os ouvidos, aprendam técnicas de escuta ativa se forem muito sugestionáveis, ou se acharem necessário ou se pretenderem levar este hobby muito a sério, caso contrário… nunca chegam lá.


Oportunamente vou passar parte destas intervenções para outro tópico a criar e assim, manter este apenas para o que o Luke idealizou.

manel1
Equipa Audiopt - Moderação
Equipa Audiopt - Moderação

Número de Mensagens : 2073
Localização : Lamego
Ocupação : Electromecanico
Interesses : Música, leitura
Data de inscrição : 02/12/2009
Pontos/Reputação : 2465

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 16/12/2014, 18:19

manel1 escreveu:Ó Ricardo, eu não tenho vergonha de dizer que não sei tudo, e que cometo erros, pois sei e admito que estou sempre a aprender, vergonha teria eu se perante as evidencias em contrário áquilo que defendo eu continuasse a insistir nas minhas teorias. Quando iniciei a produção e testes dos VCS, que são os dispositivos para minimizar vibrações que criei, estava convicto de que as vibrações eram mais nefastas quanto mais próximo da origem do sinal, ou seja, gira-discos e leitores de CD, mas na realidade as vibrações são mais nefastas onde as correntes são mais intensas (há que fazer experiências e ver por nós mesmos). Como você disse e bem, o transformador é uma dessas fontes de vibração, mas o local onde um dispositivo anti vibração faz mais efeito é numa régua ou filtro de corrente. É claro que o gira-discos beneficia bastante de um controlo de vibrações eficaz, mas grande parte dos bons leitores de CD não são assim tão sensíveis ás vibrações como os amplificadores.

Não devem existir vibrações mais nefastas do que aquelas captadas pela célula, já que são amplificadas por um factor que pode rondar a ordem do milhar (p.ex. Moving Coil de baixo ganho).
Um funcionário da Garrard escreveu num fórum inglês que nos testes que eles efectuavam (num 4º andar) a agulha captava ressonâncias infra-sónicas produzidas por carros que arrancavam do parque de estacionamento...

O que é que quer dizer com "as vibrações são mais nefastas onde as correntes são mais intensas"?
Posso estar enganado mas julgava que a corrente era mais intensa quanto menor fosse a resistência; será que uma régua ou um filtro oferece menos resistência do que um cabo?
Não será antes a resistência que produz as vibrações?
Consegue classificar e quantificar as distorções que verificou existirem nas réguas e nos filtros e que resultam de vibrações?
De que forma é que o dispositivo atenua/filtra/elimina essas distorções?
Se efectuou as experiências imagino que tenha efectuado algumas medições; era bom se as publicasse para percebermos aquilo a que se refere.

manel1 escreveu:Citando: ‘’Mas se colocarmos um dispositivo de controlo de vibrações sob um amplificador a válvulas e os transformadores do mesmo não estiverem desacoplados do chassis, estaremos apenas a minimizar a propagação de vibrações para os outros equipamentos sem isolar as válvulas e outros componentes electrónicos do amplificador da fonte de vibrações...’’
Esta afirmação está errada, tanto na prática, como se prova colocando por exemplo um VCS por baixo do amplificador (tenho aparelhos a válvulas em casa), como na teoria, pois ao dissipar as vibrações para uma base que pode ser por exemplo uma pedra de granito, as vibrações que afetam as válvulas são substancialmente reduzidas, também podemos trabalhar acrescentando mais massa aos aparelhos (dumping) impedindo-os de vibrar, podemos também mudar a frequência de vibração para uma gama não audível, usando por exemplo molas sintonizadas.

Talvez não me tenha expressado bem.
O que eu quero dizer é que se o transformador estiver isolado da caixa os dispositivos deixam de ser necessários porque não há transmissão de vibrações.
Se não estiver isolado é provável que os dispositivos tenham uma influência positiva mas não deixamos de estar a "tratar" os sintomas e não a eliminar a causa.

manel1 escreveu:Ao ler esta frase sua: ‘’ Mas para aqueles que como eu não sabem "mexer" no interior de um amplificador ou de um conversor D/A, a possibilidade de optimizar o sistema mudando de acessórios é o único caminho viável...’’
Fiquei com a ideia de que tinha uma certa pena de não saber o suficiente de eletrónica para poder alterar alguns aparelhos, então e essas pessoas que têm esses conhecimentos e fazem essas alterações, também medem o resultado final? Valerá a pena alterar um amplificador da Quad, ou da Weiss, ou TAD, são porventura os aparelhos dessas marcas os melhores do mundo?

E ficou com a ideia correcta; não tanto pelo prazer de efectuar as modificações em si (tarefa para a qual não tenho grande jeito ou paciência) mas pelas possibilidades ao nível do desempenho.

Um exemplo: o Bugatti Veyron é o veículo de passageiros comercial mais veloz alguma vez fabricado e no entanto a versão modificada ou melhorada para correr nas 24 horas de Le Mans é consideravelmente mais "performante".

Do mesmo modo é possível melhorar um equipamento de audio, mesmo os mais conceituados e os de melhor desempenho.
Pode-se, por exemplo, substituir os componentes electrónicos de origem por outros com uma menor tolerância de erro, reduzir vibrações parasitas, substituir as cablagens internas, e mesmo o desenho dos circuitos.
Se não escutou um equipamento modificado sugiro que efectue uma visita ao Jorge "Tube-Dude" aí no Norte, ou se vier a Lisboa ao Ricardo "Solid-State-One".

manel1 escreveu:Como é que eles determinam se as medições obtidas são ou não suficientemente boas para o áudio. Tem dúvidas que pode encontrar inúmeros aparelhos substancialmente mais baratos de marcas menos conceituadas com iguais ou melhores medições, como é que determina neste caso qual deles é o melhor? Vai pelo preço? Fico com a ideia que para sí o importante no áudio é atingir as melhores medições! Ora o que não faltam por aí são aparelhos a medir muito bem e muitos deles a preços bem em conta, mas depois, vamos a ouvir e aquelas traquitanas não tocam nada, então, como é que separamos o trigo do joio, vai lá com moedinha?

Ricardo, estou certo que andam por aí muitos audiófilos muito ‘’sugestionaveis’’, alguns até poderão fazer umas rezas antes de iniciar a música, mas penso que a maioria não é parva nem surda e devem fazer uma ideia do que soa parecido com a realidade e o que não soa, isto para além do gosto pessoal.
O melhor conselho que posso dar é: Usem os ouvidos, aprendam técnicas de escuta ativa se forem muito sugestionáveis, ou se acharem necessário ou se pretenderem levar este hobby muito a sério, caso contrário… nunca chegam lá.

A medição de um só parâmetro por sí só não é representativa do desempenho de um equipamento, apenas de uma característica específica; já um conjunto vasto de medições consegue caracterizá-lo ainda que de uma forma relativamente rude.
É um instrumento complementar da escuta, ou vice versa...mas convém não confundir medições com especificações técnicas.

A escuta só por si também não é eficaz pois pode facilmente ser influenciada pelo preço, pela estética, pelo gosto...especialmente se procuramos que o sistema leia, amplifique e transduza toda a informação que está contida no suporte.
A questão é que muitos audiófilos não procuram a reprodução fiel do sinal mas que o sistema produza um som agradável (e a meu ver até para esses as medições têm utilidade já que quantificam várias características do desempenho que têm uma correlação com a escuta).
Isso explica porque há quem prefira um Kondo a um Mark Levinson ou um par de Tannoy prestige a umas TAD, ou vini ao digital, etc.
Nenhum está errado pois ambos optam pelos equipamentos que produzem o som da sua preferência; é uma questão de gosto, não de desempenho.


Acho que ninguém questiona o facto de que a reprodução de música gravada está aquém de recriar o evento original ou o som "ao vivo"; na melhor das hipóteses, irá criar uma ilusão razoavelmente convincente ... e é aqui as opiniões divergem: alguns defendem "alta fidelidade" ao sinal gravado enquanto que outros preferem um som "a gosto" que incrementa seu prazer de audição.
A cadeia tem muitos elos, todos eles com suas próprias deficiências, começando nos microfones e seu posicionamento e terminando com a interação entre as colunas e a sala onde está colocado o sistema.
Alguns géneros musicais são mais afectados por essas deficiências: muitas gravações de pop e rock são colagem de faixas capturados individualmente, às vezes em mono, com instrumentos/vozes tocando/cantando em espaços semi-anecóicos e registados com equipamentos de qualidade "inferior", que são posteriormente editados e misturados para "criar" o trabalho final; mas a gravação ainda precisa de ser masterizada, e muitas vezes este último passo estraga todo o processo.

Na minha opinião, algumas gravações podem realmente beneficiar de uma reprodução mais "expressionista" (onde o sistema acrescenta algum "carácter" próprio), enquanto que para outras, principalmente as de música "clássica", se impõe uma abordagem mais "documental" (onde o sinal é "respeitado"), embora em ambos os casos estejamos sujeitos àquilo que foi feito nas etapas anteriores, em especial durante a captura, edição, mistura e masterização.

Já ando nisto dos fóruns há uma dezena de anos e cada vez mais me convenço que a alta-fidelidade só interessa praticamente àqueles audiófilos que escutam música acústica não amplificada.
Para os outros o que importa é que a sua música lhes soe bem.


Última edição por ricardo onga-ku em 16/12/2014, 18:56, editado 3 vez(es)
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  _nimitz_ 16/12/2014, 18:48

Concordando que o possam fazer noutro tópico (coitado do amigo Luke Laughing ), por favor, continuem!

Quando as pessoas abordam temas com pontos de vista diferentes, mas de forma eloquente e com conhecimento e opiniões fundamentadas, as "discussões" são SEMPRE interessantes de acompanhar (mesmo que nos identifiquemos mais com uma posição do que com outra).

Abraço
_nimitz_
_nimitz_
Membro Audiopt
Membro Audiopt

Número de Mensagens : 865
Localização : Oeste
Ocupação : IT
Interesses : Musica, Fotografia
Data de inscrição : 28/02/2011
Pontos/Reputação : 972

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  VilaSound 17/12/2014, 18:51

Em relação às vibrações, e sem ter ligo o tópico todo tenho a dizer... Experimentem.
Toda a gente assume à partida que o maior efeito será num disposítivo de leitura (transporte/laser do CD, e giradiscos) mas muita gente chega à conclusão (OK, não é garantidamente sempre assim) que afinal é nas réguas de alimentação e nos amplificadores que o efeito é mais evidente.
Parece contra-intuitivo mas a experiencia é muitas vezes oposta à teoria. Isso é ciencia.

_________________
Gustavo Rosa
www.vilasound.pt
www.facebook.com/vilasound
VilaSound
VilaSound
Profissional
Profissional

Número de Mensagens : 188
Localização : Vila do Conde
Ocupação : Loja de Alta Fidelidade
Data de inscrição : 16/12/2010
Pontos/Reputação : 324

http://www.vilasound.pt

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 18/12/2014, 10:06

VilaSound escreveu:Em relação às vibrações, e sem ter ligo o tópico todo tenho a dizer... Experimentem.
Toda a gente assume à partida que o maior efeito será num disposítivo de leitura (transporte/laser do CD, e giradiscos) mas muita gente chega à conclusão (OK, não é garantidamente sempre assim) que afinal é nas réguas de alimentação e nos amplificadores que o efeito é mais evidente.
Parece contra-intuitivo mas a experiencia é muitas vezes oposta à teoria. Isso é ciencia.

Para além de relatarem os resultados da observação eu gostava que fornecessem algumas provas/medições dos efeitos do referido dispositivo sobre a corrente eléctrica e consequentemente também sobre o sinal de audio.
O ouvido é facilmente iludido.

Algumas questões que julgo pertinentes:

A observação foi efectuada recorrendo a testes ABX double-blind e com o nível de volume alinhado?

Se o contacto das fichas eléctricas com a régua produz vibrações, quais são os efeitos que estas têm sobre a corrente eléctrica (de que forma se manifestam)?

Qual é a intensidade destas vibrações e em que medida de grandeza é que são atenuadas pelo dispositivo, ou melhor, será possível quantificar o efeito do dispositivo no sinal?

R
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  _nimitz_ 18/12/2014, 10:12

ricardo onga-ku escreveu:
Para além de relatarem os resultados da observação eu gostava que fornecessem algumas provas/medições dos efeitos do referido dispositivo sobre a corrente eléctrica e consequentemente também sobre o sinal de audio.
O ouvido é facilmente iludido.

Algumas questões que julgo pertinentes:

A observação foi efectuada recorrendo a testes ABX double-blind e com o nível de volume alinhado?

Se o contacto das fichas eléctricas com a régua produz vibrações, quais são os efeitos que estas têm sobre a corrente eléctrica (de que forma se manifestam)?

Qual é a intensidade destas vibrações e em que medida de grandeza é que são atenuadas pelo dispositivo, ou melhor, será possível quantificar o efeito do dispositivo no sinal?

R


Ricardo,

Percebo a abordagem. E de facto, seria interessante obter esses dados.
Todavia, das experiências que efectuei, acredito que seja tarefa complicada (mesmo para quem sabe o que medir e procurar, que não é o meu caso).
Agora, há coisas que não é necessário ver no papel para perceber a sua influência. Smile
_nimitz_
_nimitz_
Membro Audiopt
Membro Audiopt

Número de Mensagens : 865
Localização : Oeste
Ocupação : IT
Interesses : Musica, Fotografia
Data de inscrição : 28/02/2011
Pontos/Reputação : 972

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 18/12/2014, 10:25

_nimitz_ escreveu:
ricardo onga-ku escreveu:
Para além de relatarem os resultados da observação eu gostava que fornecessem algumas provas/medições dos efeitos do referido dispositivo sobre a corrente eléctrica e consequentemente também sobre o sinal de audio.
O ouvido é facilmente iludido.

Algumas questões que julgo pertinentes:

A observação foi efectuada recorrendo a testes ABX double-blind e com o nível de volume alinhado?

Se o contacto das fichas eléctricas com a régua produz vibrações, quais são os efeitos que estas têm sobre a corrente eléctrica (de que forma se manifestam)?

Qual é a intensidade destas vibrações e em que medida de grandeza é que são atenuadas pelo dispositivo, ou melhor, será possível quantificar o efeito do dispositivo no sinal?

R


Ricardo,

Percebo a abordagem. E de facto, seria interessante obter esses dados.
Todavia, das experiências que efectuei, acredito que seja tarefa complicada (mesmo para quem sabe o que medir e procurar, que não é o meu caso).
Agora, há coisas que não é necessário ver no papel para perceber a sua influência. Smile

Então imaginemos por exemplo que as vibrações produzidas pela ligação régua/ficha introduzem (de facto*) um "efeito" (prejudicial) de distorção harmónica na corrente eléctrica.
Será que pela escuta conseguimos perceber se um dispositivo de "controlo" de vibrações consegue eliminar ou atenuar esse "efeito"?
E se o dispositivo não abordar o problema mas por sua vez gerar um outro "efeito" que é audível e que à escuta nos parece benéfico mas que afinal se trata de uma distorção que soa ""agradável, p.ex. acentuando o "detalhe" através do aumento do "grão"?

Mesmo quando as diferenças são fáceis de detectar, nem sempre conseguimos determinar se estamos a dar um passo em frente, atrás ou simplesmente para o lado...
Daí que se imponha uma abordagem mais científica.

R



* - se calhar devíamos começar por determinar se a ligação régua/ficha produz realmente vibrações.
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  _nimitz_ 18/12/2014, 10:37

ricardo onga-ku escreveu:
Então imaginemos por exemplo que as vibrações produzidas pela ligação régua/ficha introduzem um "efeito" negativo de distorção harmónica na corrente eléctrica.
Será que pela escuta conseguimos perceber se um dispositivo de "controlo" de vibrações consegue eliminar ou atenuar esse "efeito"?
E se o dispositivo não abordar o problema mas por sua vez gerar um outro "efeito" que é audível e que à escuta nos parece benéfico mas que afinal se trata de uma distorção que soa ""agradável, p.ex. acentuando o "detalhe" através do aumento do "grão"?

Mesmo quando as diferenças são fáceis de detectar, nem sempre conseguimos determinar se estamos a dar um passo em frente, para trás ou simplesmente para o lado...
Daí que se imponha uma abordagem mais científica.

R

Com o controlo de vibrações que preconizei no meu sistema (controlo possível), o que aconteceu foi mesmo conseguir extrair mais DBs do sistema, sem prejuízo da compostura do mesmo (eventual menor distorção a volumes elevados).

Também, como tu, gosto de perceber como as coisas funcionam, e quais as explicações que estão subjacentes a determinado efeito.
No entanto, nisto da audiofilia, confesso que não vou tão longe nesse campo. Se com base na minha experiência, partilha de impressões com outros experimentados, e com base em investimento residual consigo colocar o sistema a dar-me mais prazer (seja mais ou menos afastado do evento musical ao vivo, no estúdio, na cabeça do músico, na cabeça no eng. de som, etc), para mim está ganho. Ainda que fique com curiosidade, e tentando sempre perceber o porquê, não perco mais tempo...sento-me, relaxo, e oiço música.
Very Happy
_nimitz_
_nimitz_
Membro Audiopt
Membro Audiopt

Número de Mensagens : 865
Localização : Oeste
Ocupação : IT
Interesses : Musica, Fotografia
Data de inscrição : 28/02/2011
Pontos/Reputação : 972

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  VilaSound 18/12/2014, 12:13

ricardo onga-ku escreveu:
Para além de relatarem os resultados da observação eu gostava que fornecessem algumas provas/medições dos efeitos do referido dispositivo sobre a corrente eléctrica e consequentemente também sobre o sinal de audio.
O ouvido é facilmente iludido.

Ricardo,

Fazer experiencias controladas com resultados estatisticamente significativos e tecnicamente aperfeiçoados exige tempo, dinheiro, equipamento e números de pessoas elevados para os realizar, que eu não tenho.
É mas fácil, barato, rápido e conclusivo experimentar individualmente (tenho sempre uma porta aberta para satisfazer este tipo de curiosidades, mesmo sem um interesse específico em comprar), e muitas vezes em regime de teste cego para os mais céticos. Se a diferença não é óbvia então não interessa IMO.

A questão do ouvido iludido IMO tem mais a ver com experiencia (ou falta dela) e de ausencia de referencias. A partir do momento em que se ouve (ou vê) um palco alargado, um silencio de fundo superior é fácil detetar que esses parametros foram prejudicados, quando se troca para equipamento inferior.
Se começamos a falar em sons mais quentes ou frios já é mais complicado saber o que está melhor ou pior e muitas vezes tem mais a ver com gostos pessoais do que com alta fidelidade.


Algumas questões que julgo pertinentes:

A observação foi efectuada recorrendo a testes ABX double-blind e com o nível de volume alinhado?
Colocar uma base anti-vibração não altera o volume do som. Essa é fácil.
Blind testing pode ser feito por quem quiser.

Se o contacto das fichas eléctricas com a régua produz vibrações, quais são os efeitos que estas têm sobre a corrente eléctrica (de que forma se manifestam)?

Qual é a intensidade destas vibrações e em que medida de grandeza é que são atenuadas pelo dispositivo, ou melhor, será possível quantificar o efeito do dispositivo no sinal?
Responder a isto devidamente é para um trabalho de mestrado (mínimo), com direito a publicação científica.

_________________
Gustavo Rosa
www.vilasound.pt
www.facebook.com/vilasound
VilaSound
VilaSound
Profissional
Profissional

Número de Mensagens : 188
Localização : Vila do Conde
Ocupação : Loja de Alta Fidelidade
Data de inscrição : 16/12/2010
Pontos/Reputação : 324

http://www.vilasound.pt

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 18/12/2014, 12:31

VilaSound escreveu:
Se o contacto das fichas eléctricas com a régua produz vibrações, quais são os efeitos que estas têm sobre a corrente eléctrica (de que forma se manifestam)?

Qual é a intensidade destas vibrações e em que medida de grandeza é que são atenuadas pelo dispositivo, ou melhor, será possível quantificar o efeito do dispositivo no sinal?
Responder a isto devidamente é para um trabalho de mestrado (mínimo), com direito a publicação científica.

Mas deveria também ser obrigatório para os fabricantes de equipamentos de audio.

No Reino Unido não é permitido que um fabricante efectue alegações sem apresentar provas.
Veja-se o famoso caso em que alguém denunciou as alegações feitas pelo Russ Andrews num anúncio publicitário sobre as capacidades dos seus cabos de corrente:

A brochure for audio equipment featured a number of products that Russ Andrews Accessories claimed could reduce Radio Frequency Interference (RFI) from mains electricity, which, they maintained affected the quality of sound on hi-fi equipment.
The brochure stated how Russ Andrews Accessories had commissioned their own research into claims that it had previously made about the technology, which, they explained, had been found to be unsubstantiated when previously investigated by the ASA in 2008.

Russ Andrews Accessories now felt that they had proof to support the claims, such as, "As with all our PowerKords, the woven design is proven to reduce RFI on the mains supply … allowing a sound that is fuller, more natural and more musical".
A section of the brochure was headlined "measuring the RFI problem".
It explained "the effect it [RFI] has on Hi-Fi equipment and why our cables are in such a good position to reduce the degradation RFI causes to Hi-Fi and Home Cinema components".
Another section was headlined "Don't let interference ruin your music" and detailed the testing that Russ Andrews Accessories had had carried out.
It stated "The results typically show a reduction in RFI ranging between three and ten times".


http://asa.org.uk/Rulings/Adjudications/2011/1/Russ-Andrews-Accessories-Ltd/TF_ADJ_49597.aspx#.VJLH2FrOX0c

O resultado:

The ad must not appear again in its current form. We told Russ Andrews not to imply that RFI from mains electricity was a perceptible problem or that their products could reduce mains-borne RFI beyond the reduction supplied by a standard mains cable, unless they held robust substantiation to show that was the case.
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  manel1 18/12/2014, 13:50

Vamos lá a ver ser respondo a parte das questões nos poucos minutos que tenho disponíveis, oportunamente responderei ás restantes questões.

Citando: ‘’Não devem existir vibrações mais nefastas do que aquelas captadas pela célula, já que são amplificadas por um factor que pode rondar a ordem do milhar (p.ex. Moving Coil de baixo ganho).
Um funcionário da Garrard escreveu num fórum inglês que nos testes que eles efectuavam (num 4º andar) a agulha captava ressonâncias infra-sónicas produzidas por carros que arrancavam do parque de estacionamento...’’

De acordo.

As réguas de alimentação ou os filtros, são os equipamentos por onde passa toda a corrente para o sistema, logo, onde esta é mais elevada, tão simples quanto isto.
Os transformadores quando atravessados por corrente alternada sofrem pequenas deformações nos seus materiais, neste caso um material ferromagnético em resultado disso há formação de ruido e vibração, como tal, os amplificadores de potência são também um dos aparelhos que beneficia imenso com dispositivos anti vibração devido ao tamanho dos transformadores.

Medições, medições e mais medições, bolas, fiz algumas e farei muitas mais….apresentar resultados, gráficos… a seu tempo. Oportunamente apresentarei medições da minha sala em que foram testados painéis acústicos, cabos e equipamentos, depois, com tempo colocarei algumas medições acerca deste tema que estamos a discutir, mas uma coisa posso assegurar em forma de resumo O NOSSO OUVIDO É MUITO MAIS SENSIVEL E EFICAZ QUE AS MEDIÇÕES.

Citando: ’’ De que forma é que o dispositivo atenua/filtra/elimina essas distorções?’’
Transformando energia mecânica em térmica através dos princípios físicos envolvidos no sistema VCS e transferindo rápida e eficazmente as vibrações para o chão/plataforma graças aos materiais usados.

Fiquei com a ideia de que o seu leitor de CD foi modificado, que modificações fez, que as efectuou, como caracteriza as alterações no som, em termos percentuais que melhorias obteve?

A minha porta está aberta a quem tiver curiosidade em testar estas coisas de que temos falado e onde poderão constatar a qualidade que o sistema apresenta, grande parte em virtude dos chamados acessórios, a sua também está? É que, se o seu sistema não for suficientemente revelador é compreensível que não consiga experienciar nenhuma das coisas de que aqui falamos. Lembro-me agora de um amigo que conhece alguém com umas colunas muito bem referenciadas B&W 802 e mudasse o que mudasse não sentia grandes alterações, será esse o seu caso?

manel1
Equipa Audiopt - Moderação
Equipa Audiopt - Moderação

Número de Mensagens : 2073
Localização : Lamego
Ocupação : Electromecanico
Interesses : Música, leitura
Data de inscrição : 02/12/2009
Pontos/Reputação : 2465

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 18/12/2014, 14:37

manel1 escreveu:As réguas de alimentação ou os filtros, são os equipamentos por onde passa toda a corrente para o sistema, logo, onde esta é mais elevada, tão simples quanto isto.
Os transformadores quando atravessados por corrente alternada sofrem pequenas deformações nos seus materiais, neste caso um material ferromagnético em resultado disso há formação de ruido e vibração, como tal, os amplificadores de potência são também um dos aparelhos que beneficia imenso com dispositivos anti vibração devido ao tamanho dos transformadores.

E nas réguas, qual é o mecanismo que as faz vibrar?
Será o contacto entre os pernos das fichas e a tomada?

manel1 escreveu:Medições, medições e mais medições, bolas, fiz algumas e farei muitas mais….apresentar resultados, gráficos… a seu tempo. Oportunamente apresentarei medições da minha sala em que foram testados painéis acústicos, cabos e equipamentos, depois, com tempo colocarei algumas medições acerca deste tema que estamos a discutir, mas uma coisa posso assegurar em forma de resumo O NOSSO OUVIDO É MUITO MAIS SENSIVEL E EFICAZ QUE AS MEDIÇÕES.

As medições na sala não são úteis, apenas as medições das alterações (p.ex. distorção harmónica) verificadas na corrente eléctrica e consequentemente no sinal de audio, isto partindo do princípio que a fonte de alimentação dos equipamentos electrónicos não é capaz de filtrar as distorções geradas pelo conjunto régua/fichas.

manel1 escreveu:Citando: ’’ De que forma é que o dispositivo atenua/filtra/elimina essas distorções?’’
Transformando energia mecânica em térmica através dos princípios físicos envolvidos no sistema VCS e transferindo rápida e eficazmente as vibrações para o chão/plataforma graças aos materiais usados.

Eu não me referia às vibrações mas às distorções.
Mas é preciso determinar se elas existem.


manel1 escreveu:Fiquei com a ideia de que o seu leitor de CD foi modificado, que modificações fez, que as efectuou, como caracteriza as alterações no som, em termos percentuais que melhorias obteve?

As modificações foram efectuadas pelo Ricardo Domingos (RMD Audio Design) e se não estou em erro hove alterações ao nível dos componentes electrónicos que compõem a fonte de alimentação e o circuito analógico, alterações ao grounding e ao circuito analógico, julgo que incluindo a substituição dos op-amps...infelizmente não tenha conhecimentos para ir mais longe.
As medições da distorção harmónica + ruído melhoraram substancialmente — 0.8% THD+N at -60dB (1kHz) / 0.00165% THD+N at -11dB (1kHz) — e isso teve um impacto consideravelmente audível na "claridade" ou seja na capacidade de se ouvir o conteúdo da gravação.

R
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  VilaSound 18/12/2014, 15:13

ricardo onga-ku escreveu:As medições da distorção harmónica + ruído melhoraram substancialmente — 0.8% THD+N at -60dB (1kHz) / 0.00165% THD+N at -11dB (1kHz) — e isso teve um impacto consideravelmente audível na "claridade" ou seja na capacidade de se ouvir o conteúdo da gravação.

Presumo que poderias concluir que «teve impacto consideravelmente audível na "claridade"» mesmo sem saber que «0.8% THD+N at -60dB (1kHz) / 0.00165% THD+N at -11dB (1kHz) ». Ou não?

_________________
Gustavo Rosa
www.vilasound.pt
www.facebook.com/vilasound
VilaSound
VilaSound
Profissional
Profissional

Número de Mensagens : 188
Localização : Vila do Conde
Ocupação : Loja de Alta Fidelidade
Data de inscrição : 16/12/2010
Pontos/Reputação : 324

http://www.vilasound.pt

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  VilaSound 18/12/2014, 15:20

ricardo onga-ku escreveu:

Mas deveria também ser obrigatório para os fabricantes de equipamentos de audio.

No Reino Unido não é permitido que um fabricante efectue alegações sem apresentar provas.
Veja-se o famoso caso em que alguém denunciou as alegações feitas pelo Russ Andrews num anúncio publicitário sobre as capacidades dos seus cabos de corrente:

[i]A brochure for audio equipment featured a number of products that Russ Andrews Accessories claimed could reduce Radio Frequency Interference (RFI) from mains electricity, which, they maintained affected the quality of sound on hi-fi equipment.
The brochure stated how Russ Andrews Accessories had commissioned their own research into claims that it had previously made about the technology, which, they explained, had been found to be unsubstantiated when previously investigated by the ASA in 2008.

Ora bem, e é por isso que uma investigação científica deve ser cuidadosa e meticulosa.
Tanto quanto sei, eles afirmavam que tinham feito investigação e ASA foi ver e foi da opinião que a investigação não permitia concluir o que eles concluiam, ou que porventura seria insuficiente.
Isso é diferente de um fabricante criar um produto com um determinado objetivo. Não são obrigados a demonstra-lo. Não podem é dizer que a investigação científica suporta as suas propostas, se ela não suportar.

_________________
Gustavo Rosa
www.vilasound.pt
www.facebook.com/vilasound
VilaSound
VilaSound
Profissional
Profissional

Número de Mensagens : 188
Localização : Vila do Conde
Ocupação : Loja de Alta Fidelidade
Data de inscrição : 16/12/2010
Pontos/Reputação : 324

http://www.vilasound.pt

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  manel1 18/12/2014, 15:58

ricardo onga-ku escreveu:
As modificações foram efectuadas pelo Ricardo Domingos (RMD Audio Design) e se não estou em erro hove alterações ao nível dos componentes electrónicos que compõem a fonte de alimentação e o circuito analógico, alterações ao grounding e ao circuito analógico, julgo que incluindo a substituição dos op-amps...infelizmente não tenha conhecimentos para ir mais longe.
As medições da distorção harmónica + ruído melhoraram substancialmente — 0.8% THD+N at -60dB (1kHz) / 0.00165% THD+N at -11dB (1kHz) — e isso teve um impacto consideravelmente audível na "claridade" ou seja na capacidade de se ouvir o conteúdo da gravação.

R

Por acaso, há uns tempos atrás discuti com um amigo a possibilidade de mandar alterar alguns dos meus elementos da cadeia de som e citei alguns dos técnicos do país mais falados (ou deverei dizer conceituados?) e não é que ele já teve oportunidade de ouvir alguns leitores de CD modificados por alguns desses técnicos! Inclusivamente, ele teve oportunidade de ouvir no seu sistema um leitor de CD tinha sido alterado pela mesma pessoa que alterou o seu! Infelizmente o feedback não foi muito positivo, pois, apesar da abertura que o som evidenciava, dexando antever um certo empolamento das gamas mais altas de frequência, o som era ''fininho'', ''desencorpado'', muito ''timido'' nos graves, è fácil de ver que um leitor a tocar assim até pode impressionar nos primeiros instantes, mas rápidamente se vêm as suas limitações.

Peço desculpa, por sem ter ouvido o referido aparelho estar aqui a deixar uma imagem negativa da referida alteração, mas a confiança que tenho e reconhecida competência de que o amigo goza, permite-me com um bom grau de confiança fazer esta afirmação.

Por acaso para além dos valores de distorção, foram efectuadas outras medições, ou seja, qual é a resposta em frequência do seu leitor depois de alterado? Tem algum gráfico que queira partilhar das referidas medições. Se bem me lembro as suas colunas são umas Spendor de grande dimensão e nada timidas no grave, será que alguma coloração nas colunas estará a compensar algum défice por parte do leitor de CD na gama média/grave? Já experimentou o leitor com outras colunas?

manel1
Equipa Audiopt - Moderação
Equipa Audiopt - Moderação

Número de Mensagens : 2073
Localização : Lamego
Ocupação : Electromecanico
Interesses : Música, leitura
Data de inscrição : 02/12/2009
Pontos/Reputação : 2465

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 18/12/2014, 16:30

VilaSound escreveu:
ricardo onga-ku escreveu:

Mas deveria também ser obrigatório para os fabricantes de equipamentos de audio.

No Reino Unido não é permitido que um fabricante efectue alegações sem apresentar provas.
Veja-se o famoso caso em que alguém denunciou as alegações feitas pelo Russ Andrews num anúncio publicitário sobre as capacidades dos seus cabos de corrente:

[i]A brochure for audio equipment featured a number of products that Russ Andrews Accessories claimed could reduce Radio Frequency Interference (RFI) from mains electricity, which, they maintained affected the quality of sound on hi-fi equipment.
The brochure stated how Russ Andrews Accessories had commissioned their own research into claims that it had previously made about the technology, which, they explained, had been found to be unsubstantiated when previously investigated by the ASA in 2008.

Ora bem, e é por isso que uma investigação científica deve ser cuidadosa e meticulosa.
Tanto quanto sei, eles afirmavam que tinham feito investigação e ASA foi ver e foi da opinião que a investigação não permitia concluir o que eles concluiam, ou que porventura seria insuficiente.
Isso é diferente de um fabricante criar um produto com um determinado objetivo. Não são obrigados a demonstra-lo. Não podem é dizer que a investigação científica suporta as suas propostas, se ela não suportar.

O que não podem é alegar capacidades dos seus produtos que não sejam verificáveis cientificamente.
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 18/12/2014, 16:32

VilaSound escreveu:
ricardo onga-ku escreveu:As medições da distorção harmónica + ruído melhoraram substancialmente — 0.8% THD+N at -60dB (1kHz) / 0.00165% THD+N at -11dB (1kHz) — e isso teve um impacto consideravelmente audível na "claridade" ou seja na capacidade de se ouvir o conteúdo da gravação.

Presumo que poderias concluir que «teve impacto consideravelmente audível na "claridade"» mesmo sem saber que «0.8% THD+N at -60dB (1kHz) / 0.00165% THD+N at -11dB (1kHz) ». Ou não?

Sim, por isso escrevi audível.
As medições servem para determinar e quantificar as alterações que resultaram da modificação.
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 18/12/2014, 16:54

manel1 escreveu:
ricardo onga-ku escreveu:
As modificações foram efectuadas pelo Ricardo Domingos (RMD Audio Design) e se não estou em erro hove alterações ao nível dos componentes electrónicos que compõem a fonte de alimentação e o circuito analógico, alterações ao grounding e ao circuito analógico, julgo que incluindo a substituição dos op-amps...infelizmente não tenha conhecimentos para ir mais longe.
As medições da distorção harmónica + ruído melhoraram substancialmente — 0.8% THD+N at -60dB (1kHz) / 0.00165% THD+N at -11dB (1kHz) — e isso teve um impacto consideravelmente audível na "claridade" ou seja na capacidade de se ouvir o conteúdo da gravação.

R

Por acaso, há uns tempos atrás discuti com um amigo a possibilidade de mandar alterar alguns dos meus elementos da cadeia de som e citei alguns dos técnicos do país mais falados (ou deverei dizer conceituados?) e não é que ele já teve oportunidade de ouvir alguns leitores de CD modificados por alguns desses técnicos! Inclusivamente, ele teve oportunidade de ouvir no seu sistema um leitor de CD tinha sido alterado pela mesma pessoa que alterou o seu! Infelizmente o feedback não foi muito positivo, pois, apesar da abertura que o som evidenciava, dexando antever um certo empolamento das gamas mais altas de frequência, o som era ''fininho'',  ''desencorpado'', muito ''timido'' nos graves, è fácil de ver que um leitor a tocar assim até pode impressionar nos primeiros instantes, mas rápidamente se vêm as suas limitações.

Peço desculpa, por sem ter ouvido o referido aparelho estar aqui a deixar uma imagem negativa da referida alteração, mas a confiança que tenho e reconhecida competência de que o amigo goza, permite-me com um bom grau de confiança fazer esta afirmação.

Por acaso para além dos valores de distorção, foram efectuadas outras medições, ou seja, qual é a resposta em frequência do seu leitor depois de alterado? Tem algum gráfico que queira partilhar das referidas medições. Se bem me lembro as suas colunas são umas Spendor de grande dimensão e nada timidas no grave, será que alguma coloração nas colunas estará a compensar algum défice por parte do leitor de CD na gama média/grave? Já experimentou o leitor com outras colunas?

Essa opinião do seu amigo é meramente subjectiva ou baseia-se em medições e numa avaliação técnica objectiva do trabalho de modificação do equipamento?
O ''fininho'', ''desencorpado'', muito ''timido'' nos graves de uns pode ser o "transparente" de outros...tudo depende do "gosto" e das referências de cada um, e até dos restantes equipamentos que compõem o sistema.
O seu amigo escuta música orquestral?

Se não estou em erro a resposta de frequências não se alterou, mas a redução da distorção harmónica e da IMD podem ter eliminado "gorduras" que soam agradáveis para alguns.
Aliás se der uma olhada nas medições de leitores e D/ACs publicadas pela Stereophile verá que a resposta de frequências é igualmente plana em 90 ou 95% dos casos e no entanto o som difere de aparelho para aparelho.
A resposta de frequências é apenas um dos parâmetros que caracterizam o som.

Tanto quanto me lembro escutei o leitor de CD ainda virgem e depois modificado em minha casa com um par de cornetas Opera Consonance M12 Barque na versão original e modificadas por mim.
E ainda em minha casa com as Spendor SP9/1, com umas ProAc Studio 100 e noutras salas com umas B&W Preference P5, com umas ProAc Studio 100, com umas B&W Matrix 802 Series 2, com umas B&W Matrix 802 Series 3 e com umas B&W Matrix 801.
As ProAc produziam o grave menos extenso e simultaneamente mais exagerado do conjunto, ou talvez ''grosso'', ''encorpado'', muito ''extrovertido'' para o seu amigo.
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  manel1 18/12/2014, 18:43

ricardo onga-ku escreveu:

Essa opinião do seu amigo é meramente subjectiva ou baseia-se em medições e numa avaliação técnica objectiva do trabalho de modificação do equipamento?
O ''fininho'', ''desencorpado'', muito ''timido'' nos graves de uns pode ser o "transparente" de outros...tudo depende do "gosto" e das referências de cada um, e até dos restantes equipamentos que compõem o sistema.
O seu amigo escuta música orquestral?

Sim, escuta música orquestral.
Não estará a confundir mais detalhe aparente que é um dos efeitos secundários de um desvio à neutralidade no sentido dos agudos, com transparência, sendo que nesta última há um incremento de informação uniformemente distribuido pelo espectro audível de frequências?

ricardo onga-ku escreveu:
Se não estou em erro a resposta de frequências não se alterou, mas a redução da distorção harmónica e da IMD podem ter eliminado "gorduras" que soam agradáveis para alguns.
Aliás se der uma olhada nas medições de leitores e D/ACs publicadas pela Stereophile verá que a resposta de frequências é igualmente plana em 90 ou 95% dos casos e no entanto o som difere de aparelho para aparelho.
A resposta de frequências é apenas um dos parâmetros que caracterizam o som.
Então quais os parametros a que dá valor para separar o trigo do joio? Na realidade, os valores das medições regra geral, são tão proximos que fica difícil dizer com base no gráfico qual deles vai tocar melhor (não estou a falar de gosto pessoal).

manel1
Equipa Audiopt - Moderação
Equipa Audiopt - Moderação

Número de Mensagens : 2073
Localização : Lamego
Ocupação : Electromecanico
Interesses : Música, leitura
Data de inscrição : 02/12/2009
Pontos/Reputação : 2465

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 18/12/2014, 20:27

manel1 escreveu:
ricardo onga-ku escreveu:

Essa opinião do seu amigo é meramente subjectiva ou baseia-se em medições e numa avaliação técnica objectiva do trabalho de modificação do equipamento?
O ''fininho'', ''desencorpado'', muito ''timido'' nos graves de uns pode ser o "transparente" de outros...tudo depende do "gosto" e das referências de cada um, e até dos restantes equipamentos que compõem o sistema.
O seu amigo escuta música orquestral?

Sim, escuta música orquestral.
Não estará a confundir mais detalhe aparente que é um dos efeitos secundários de um desvio à neutralidade no sentido dos agudos, com transparência, sendo que nesta última há um incremento de informação uniformemente distribuido pelo espectro audível de frequências?

Pela escutas comparativas que efectuei, especialmente com os equipamentos que tinha à minha disposição, eu diria que esse aumento de resolução não se deve a uma questão de "equilíbrio tonal" de uma franca capacidade de reproduzir o que está no disco.
Escutei outros leitores modificados pelo RMD e essa capacidade era comum a todos eles; numa tertúlia comparámos um Akai modificado com um Teac VRDS e com um D/AC 47labs que eu tinha na altura, noutra um Rotel multibit modificado com o mesmo modelo ainda virgem.
Mas não tenho pretensas ilusões quanto a ser detentor de capacidades auditivas extraodinárias, posso estar enganado.

manel1 escreveu:
ricardo onga-ku escreveu:
Se não estou em erro a resposta de frequências não se alterou, mas a redução da distorção harmónica e da IMD podem ter eliminado "gorduras" que soam agradáveis para alguns.
Aliás se der uma olhada nas medições de leitores e D/ACs publicadas pela Stereophile verá que a resposta de frequências é igualmente plana em 90 ou 95% dos casos e no entanto o som difere de aparelho para aparelho.
A resposta de frequências é apenas um dos parâmetros que caracterizam o som.
Então quais os parametros a que dá valor para separar o trigo do joio? Na realidade, os valores das medições regra geral, são tão proximos que fica difícil dizer com base no gráfico qual deles vai tocar melhor (não estou a falar de gosto pessoal).

Depende dos equipamentos.
No caso das colunas a resposta de frequências ao eixo caracteriza muito bem aquilo que vamos escutar e a waterfall permite verificar da existência de ressonâncias ofensivas nos altifalantes, mas quando se trata de electrónica há outros aspectos que ganham relevância.
Muitos dos leitores de CD e D/ACs recentemente testados pela Stereophile têm um desempenho técnico exemplar em todos os parâmetros medidos, mas têm um som diferente e julgo que isso se deve em muito à eficácia dos filtros digitais, à concepção do andar analógico, às características e dimensionamento da fonte de alimentação e à atenção dada ao grounding.
Por falar nisso, tenho aqui um par de op-amps da TI para modificar o meu D/AC...

Importância dos acessórios e das medições X3blow
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  manel1 19/12/2014, 19:42

ricardo onga-ku escreveu:

No caso das colunas a resposta de frequências ao eixo caracteriza muito bem aquilo que vamos escutar e a waterfall permite verificar da existência de ressonâncias ofensivas nos altifalantes, mas quando se trata de electrónica há outros aspectos que ganham relevância.
Muitos dos leitores de CD e D/ACs recentemente testados pela Stereophile têm um desempenho técnico exemplar em todos os parâmetros medidos, mas têm um som diferente e julgo que isso se deve em muito à eficácia dos filtros digitais, à concepção do andar analógico, às características e dimensionamento da fonte de alimentação e à atenção dada ao grounding.
Por falar nisso, tenho aqui um par de op-amps da TI para modificar o meu D/AC...

Importância dos acessórios e das medições X3blow

Contráriamante ao que muitos daqueles que têm vindo a ler este tópico possam pensar, de um modo ngeral, eu respeito imenso mas medições. A Finalidade destas é a de que ao construir ou modificar um leitor de CD, amplificador, etc, se atinja um patamar de qualidade a nível técnico que não deixe dúvidas de que se trata de um equipamento bem construido e que assegure à partida que irá ter um bom desempenho. As medições de uma sala destinada à reprodução de música, gravação ou concerto também são importantes, diria mesmo que essenciais, pois cada uma requer caracteristicas diferentes ao nível dos tempos de reverberação, resposta em frequencia, entre outros. No entanto, produto que eu desenvolva ou que adquira, sala que eu construa, modifique ou trate, tem sempre de ser alvo de audição atenta, com métodos controlados e sempre com bons pares de ouvidos devidamente treinados, pois em minha opinião, a única maneira que temos actualmente de atingir a excelência a nivel de reprodução de música gravada em nossas casas é através da escuta dos equipamentos nas salas, para mim este método é o único que permite distinguir o muito bom do excelente, partindo do principio que com medições podemos encontrar equipamentos comprestações muito boas.

Acredito muito mais na atenção dada pelos fabricantes ao que diz na sua frase ''eficácia dos filtros digitais, à concepção do andar analógico, às características e dimensionamento da fonte de alimentação e à atenção dada ao [i]grounding'' entre outros aspectos, do que nas medições que o fabricante disponibiliza, ou que a Stereophile (entre outras) poderá fazer, aliás, constumo estar bem atento à descrição das soluções técnicas usadas nos equipamentos, quer elas sejam feitas pela observação cuidada e esclarecida do reviewer, quer aquelas fornecidas pelo fabricante, embora esteja consciente de que algumas delas são apenas para nos atirar areia para os olhos, mas penso que uns anitos a virar frangos e ler umas revistas da especialidade enquanto se ouve musica e aparelhos, devem ter algum peso na hora de separar os candidatos ás audições.

manel1
Equipa Audiopt - Moderação
Equipa Audiopt - Moderação

Número de Mensagens : 2073
Localização : Lamego
Ocupação : Electromecanico
Interesses : Música, leitura
Data de inscrição : 02/12/2009
Pontos/Reputação : 2465

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  manel1 19/12/2014, 20:05

Esqueci-me de referir que sou a favor da modificação dos aparelhos, por parte de quem sabe, nomeadamente, a substituição de componentes por outros equivalentes de maior qualidade, a melhoria das fontes de alimentação, o uso de soluções e materiais com vista a reduzir as interferências RFI e EMI e minimizar vibrações (isolar o transformador, por exemplo), usar fusíveis de melhor qualidade, entre outras.
Temos no entanto de estar cientes de que algumas alterações poderão acarretar, por exemplo, alterações timbricas nos aparelhos e que nem sempre os melhoramentos técnicos são acompanhados de melhor desempenho na hora da verdade! É necessário depois das alterações efectuadas, proceder a audições atentas e despretensiosas e não ter medo de voltar atrás só porque teóricamente a alteração faz sentido.

Na hora das audições não esqueçamos que o efeito placebo é real, mas pode ser nosso amigo, desde que tenhamos conciência de que também nos pode afectar, coloca-nos portanto em alerta, aguçando o nosso espirito critico, por outras palavras, se não estamos certos que esta a tocar melhor, é mais seguro voltar à primeira forma.

manel1
Equipa Audiopt - Moderação
Equipa Audiopt - Moderação

Número de Mensagens : 2073
Localização : Lamego
Ocupação : Electromecanico
Interesses : Música, leitura
Data de inscrição : 02/12/2009
Pontos/Reputação : 2465

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  ricardo onga-ku 19/12/2014, 21:20

Por acaso experimentaram colocar o dispositivo sob uma régua ligada a um leitor blu-ray e a um televisor HD?

R
ricardo onga-ku
ricardo onga-ku
Equipa Audiopt - Colaborador
Equipa Audiopt - Colaborador

Número de Mensagens : 2980
Localização : Terra d'Angles
Data de inscrição : 09/01/2010
Pontos/Reputação : 4662

Ir para o topo Ir para baixo

Importância dos acessórios e das medições Empty Re: Importância dos acessórios e das medições

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Ir para o topo Ir para baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ir para o topo


 
Permissão neste fórum:
Você não pode responder aos tópicos