Grandes compositores - Biografias

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Grandes compositores - Biografias

Mensagem  Convidad em 6/6/2007, 10:52

Karlheinz Stockhausen
Compositor


Mödrath (perto de Colónia), 22 de Agosto de 1928.

Até hoje, Karlheinz Stockhausen compôs 316 obras e publicou 10 volumes dos seus Texte zur Musik que reúnem esboços e explicações sobre as suas próprias obras (pela editora Stockhausen-Verlag). As suas primeiras 36 partituras foram publicadas pela Universal Editions, em Viena, mas desde que foi fundada em 1975, a Stockhausen-Verlag tem publicado todo o seu trabalho. Em 1991, a Stockhausen-Verlag começou também a editar CDs: a colecção Stockhausen Complete Edition, que inclui até ao momento todas as partituras, livros e CDs que Stockhausen produziu. Desde 1998, realiza-se anualmente a Stockhausen Courses Kürten, para compositores, intérpretes, musicólogos e público.

Em 1977, Stockhausen começou a compor a obra de teatro musical Licht (Luz) - Os Sete Dias da Semana. Licht, com os seus Sete Dias da Semana, tem 29 horas de duração: Quinta-Feira dura 240 minutos, Sábado dura 185 minutos, Segunda-Feira dura 278 minutos, Terça-Feira dura 156 minutos, Sexta-Feira dura 290 minutos, Quarta-Feira dura 267 minutos e Domingo dura 298 minutos.

Logo após a estreia mundial de Licht-Bilder (Imagens de Luz), a 16 de Outubro de 2004, a última cena que Stockhausen compôs para a sua obra Licht, o compositor começou imediatamente o trabalho intitulado Klang (Som) - As 24 horas do Dia.

A Fundação Artache da Catedral de Milão adjudicou a Ora Prima (Erste Stunde / Primeira Hora) para órgão (ou sintetizador), soprano e tenor. A obra foi estreada a 5 de Maio de 2005 (Dia da Ascensão) na Catedral de Milão.

Stockhausen continua a experimentar a composição de música em tempos diferentes e simultâneos. Em Erste Stunde, de Klang, as duas mãos do organista tocam constantemente a tempos diferentes: um passo inicial para a ritmitização bidimensional do músico unidimensional.

As composições de “Point Music” , como Kreuzspiel de 1951, Spiel para orquestra, de 1952, e Kontra-Punkte, de 1952-53, tinham já valido a Stockhausen a fama internacional. Desde então, as suas obras foram consideradas extremistas por uns e admiradas por outros. Proezas musicais fundamentais perpassam as suas composições desde 1950: “Música serial”, “Point Music”, Música Electrónica”, “Música da Nova Percussão”, Música Variável”, “Nova Música para Piano”, Música Espacial”, “Música Estatística”, “Música Aleatória” “Música Electrónica ao Vivo” , novas sínteses de “Música e Discurso”, “Teatro Musical”, “Música Ritual”, “Música Cénica”, “Group Composition”, “Process Composition”, “Moment Composition”, “Formula Composition” , à mais recente “Multi-formula Composition” ; integração de “objectos musicais instituídos” (hinos nacionais, folclore de múltiplos países, episódios de onda-curta, “cenas sonoras”, etc), “Música do Mundo” e “Música Universal” ; síntese da música europeia, africana, latino-americana, e asiática em “Telemusic” e a “Música Octofónica” vertical.

Desde do início até aos dias de hoje, a música de Stockhausen pode ser classificada como “Música Espiritual” . Isto é mais evidente nas composições com textos espirituais, mas também o é noutras obras, através de “Música de sons harmónicos”, “Música Intuitiva” e “Música Mântrica” , até à “Música Cósmica” , em Stimmung, Aus Den Sieben Tagen, Mantra, Sternklang, Inori, Atmen Gibt Das Leben, Sirius e Licht
.
Num auditório esférico, concebido pelo compositor, foi apresentada na exposição mundial Expo' 70, em Osaka, no Japão, grande parte da obra de Stockhausen composta até 1970: cinco horas e meia diárias durante 183 dias, por vinte instrumentistas e cantores, chegando a uma audiência total que ultrapassou o milhão de pessoas.

Stockhausen é o exemplo perfeito do compositor que participou em quase todas as estreias mundiais das suas obras e em inúmeras interpretações exemplares e gravações, enquanto maestro, intérprete, director musical, ou projeccionista de som, um pouco por todo o mundo.

Para além de ter sido várias vezes professor convidado em estabelecimentos de ensino na Suíça, nos Estados Unidos da América, na Finlândia, na Holanda e na Dinamarca, Stockhausen foi nomeado Professor de Composição no Conservatório de Colónia em 1971. Em 1996 foi homenageado com um doutoramento honorário pela Universidade Livre de Berlim e em 2004 recebeu outro doutoramento honorário da Queen’s University de Belfast. É membro de 12 Academias Internacionais para as Artes e Ciências, foi nomeado “Cidadão Honorário de Kürten” em 1988, foi agraciado “Commandeur dans l’Ordre des Arts et des Lettres” , recebeu muitos prémios Gramophone e, entre outras distinções, a “Medalha de Mérito Alemã de 1ª classe” , o Prémio de Música Siemens, a Medalha Picasso da UNESCO, a “Ordem de Mérito da Renânia do Norte Vestefália” , 8 prémios da Sociedade de Editores de Música Alemã, pela publicação das suas partituras, o Prémio Bach de Hamburgo, o Prémio Cultura de Colónia, e em 2001 o Polar Music Prize, com o louvor: “Karlheinz Stockhausen recebe o Polar Music Prize de 2001 pela sua carreira de compositor, marcada por uma integridade inabalável, uma criatividade inesgotável e por ter permanecido na vanguarda da criação musical ao longo de cinquenta anos.”

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Georg Philipp Telemann

Mensagem  Convidad em 18/6/2007, 23:57

Georg Philipp Telemann

Nasceu em Magdeburg , agora cidade importanta de Saxony-Anhalt-Anhalt , em 1681. A família de Telemann não era particularmente musical; seu avô tinha servido como Cantor em Halberstadt , mas ninguém mais em sua família direta tinham sido envolvidas na música. O pai de Telemann morreu em 1685 , deixando sua mãe a sua sorte com a responsabilidade da instrução das crianças. Eram uma família da classe média-superior , e muitas dedicadas à igreja. Telemann começou a descobrir a música aos 10 anos, e mostrou rapidamente o talento, compondo sua primeira ópera aos 12. Mas este talento não era aprovado por sua família. Temendo que seu filho perseguisse uma carreira na música, a mãe de Telemann confiscou todos os seus instrumentos musicais e em 1693 enviou-o a uma escola nova em Zellerfeld na esperança que esta mudança pusesse o menino sobre um trajecto mais lucrativo. Entretanto, o superintendente desta escola aprovou os seus talentos, e Telemann continuou a compôr e a expandir os seus sconhecimento da música no seus próprios. Pelo tempo onde terminou seus estudos no gymnasium Andreanum em Hildesheim, Telemann tinha aprendido a tocar quase inteiramente o piano , o órgão , o violino, o gamba do da da viola , a flauta , o oboe , o chalumeau, o baixo dobro , e o trombone baixo, por si só. Seus cursos tinham-no exposto também a uns estilos musicais mais novos, e a música de Johann Rosenmüller e Arcangelo Corelli transformara-se em grandes influências.
Em 1701 , Telemann entrou na universidade de Leipzig ja que pretendia estudar direito, talvez a pedido de sua mãe. Não foi antes que seu talento musical foi detectado, entretanto, a pedido escreveu com música para duas das igrejas principais da cidade. Logo depois disso, fundou com 40-membros um collegium Musicum para dar concerts de sua música. O ano seguinte, Telemann aceitou o cargo de director da casa de ópera de Leipzig e do cantor de uma de suas igrejas. A sua popularidade crescente começou a irritar um compositor mais velho Johann Kuhnau , cuja posição como o director da música para a cidade encroached upon pela nomeação de Telemann como um cantor. Telemann usava também muitos estudantes em suas produções da ópera, deixando-lhes menos tempo para se dedicarem à participação na música da igreja para Kuhnau. Kuhnau denunciou Telemann como "um músico de ópera". Mesmo após a partida de Telemann, Kuhnau não conseguiu reger os performers que tinha perdido à ópera.

Telemann saiu de Leipzig em 1705 para transformar-se Kapellmeister para a corte de Erdmann II. Aqui familiarizou-se com o estilo francês de Lully e de Campra , compondo ao redor 200 overtures e suites franceses em seus 16 anos no borne. Apesar desta saída prodigiosa, a fase a mais produtiva da carreira de Telemann não começou até que fêz exame de seu borne seguinte em 1721 , como o diretor musical das cinco igrejas principais em Hamburgo, uma posição que manteria para o resto de sua vida. Aqui Telemann escreveu dois cantatas para cada domingo, as.well.as a outra música sacra para ocasiões especiais, tudo ao ensinar a teoria cantar e de música e a direção de um outro musicum do collegium, que desse desempenhos semanais ou bi-semanais. Telemann dirigiu também a casa de ópera local por alguns anos, mas este teve uma falha financeira.

Assinatura de Telemann (1714 e 1757)
Quando o cargo de Kuhnau tinha mantido uma vez em Leipzig tornou-se vago, Telemann era adequado para o lugar. Dos seis músicos propostos, era o candidato favorecido, mesmo ganhando a aprovaçã0 do conselho de cidade. Telemann declinou o cargo, mas somente após ter usado a oferta como pressaõ para conseguir um aumento de pagamento para sua posição em Hamburgo. Quando Telemann declinou, o trabalho foi dado a Christoph Graupner , que o declinou também, abrindo o caminho para J.S. Bach . Telemann aumentou também seu pagamento de Hamburgo com algumas posições pequenas em outras cortes, e através dos volumes publicando de sua própria música.

Começando ao redor 1740 ,com a saída de Telemann começou a focalizar mais energia em treatises teóricos da escrita. Durante este tempo correspondeu também com alguns compositores mais novos, including o godson de Franz Benda e de Telemann, C.P.E. Bach . Depois da morte de seu filho mais velho Andreas em 1755 , Telemann supos a responsabilidade de levantar seu neto Georg Michael Telemann , e de começar a instrução do compositor futuro na música. Muitos de seus oratorios sacred datam deste período. Em seus anos mais atrasados, o eyesight de Telemann começou a deteriorar-se, e este conduziu a um declínio em sua saída em torno de 1762 , mas o compositor continuou a escrever até sua morte em 25 de junho 1767.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Johann Sebastian Bach

Mensagem  Convidad em 20/6/2007, 05:22

Johann Sebastian Bach, (21 de Março, 1685 - 28 de Julho, 1750)

Foi um músico e compositor do período barroco da música erudita. Foi também um organista notável. Nasceu em Eisenach (Alemanha), no seio de uma família de músicos. É considerado um dos maiores e mais influentes compositores da história da música, ainda que pouco reconhecido na altura em que viveu. Muitas das suas obras reflectem uma grande profundidade intelectual, uma expressão emocional impressionante e, sobretudo, um grande domínio técnico em grande parte responsável pelo fascínio que diversas gerações de músicos demonstraram pelo Pai Bach, especialmente depois de Felix Mendelssohn que foi um dos responsáveis pela reabilitação da obra de Bach, até então bastante esquecida.

Índice

1 Sua Vida
2 Sua Obra
2.1 Obras para Órgão
2.2 A Chaconne da Partita nº2 em Ré menor - para violino solo (BWV 1004)
2.3 O Sistema de numeração BWV
3 Ver também
4 Ligações externas

Sua Vida

Johann Sebastian BachBach nasceu em Eisenach, na Turíngia, no seio de uma família de músicos. Sua mãe morreu quando ele tinha 9 anos de idade. Um ano depois morreu seu pai Johann Ambrosius Bach, que era músico da cidade e o havia ensinado os rudimentos da música. Foi viver e estudar com seu irmão maior, Johann Christoph Bach, 16 anos mais velho que ele, então organista de Ohrdruff. Através de seu irmão Bach aprendeu a tocar órgão e a compor. Christoph, no entanto, não era um grande entusiasta do talento do jovem Sebastian. O irmão mais novo certa vez pediu a Christoph que lhe deixasse estudar algumas partituras de Pachelbel, que fora padrinho e professor de Christoph, mas este recusou. Sebastian então passou a copiar, todas as noites, as partituras de seu irmão, enquanto este estava dormindo, para que pudesse estudá-las mais tarde. De nada lhe valeu esse esforço, já que Christoph, ao descobrir as cópias, destruiu-as. Especula-se também que o esforço realizado por Sebastian para copiar as partituras na escuridão tenha sido responsável pela cegueira que o atormentou no final da vida.

Em 1703, aos 18 anos, Bach ascendeu ao posto de organista em Arnstadt, graças a seu precoce domínio do instrumento. Nessa época estudou com o famoso organista Dietrich Buxtehude, além de assistir a concertos de outro organista, Jan Adam Reinken.Quatro anos mais tarde se transladou a Mühlhausen, onde casou-se com sua prima Maria Bárbara Bach, que assim como ele era órfã. Ali escreveu também suas primeiras cantatas. Só um ano depois, em 1708, foi nomeado organista da Corte, e em 1714 diretor de orquestra na corte do duque Wilhelm Ernst, em Weimar.

- De 1717 a 1723 Bach foi mestre de capela (Kapellmeister) na corte de príncipe Leopold de Anhalt-Köthen. Em 1720 morreu a sua primeira esposa, e um ano mais tarde ele voltou a casar, desta vez com a cantora Anna Magdalena Wülcken. A partir de 1723 e até a sua morte Bach foi Diretor de Música (Kantor) na igreja de São Tomás em Leipzig. Chegou a ser convidado a corte de Frederico II o Grande em Sans Souci. Morreu em 1750, depois de uma intervenção cirúrgica fracassada nos olhos. Bach foi ficando cego até perder totalmente a vista. Atualmente se crê que a sua cegueira foi originada por um diabetes não tratado.

Bach encabeçou uma família numerosa. Teve sete filhos em seu primeiro matrimônio e 13 no segundo. Quatro de seus filhos do seu segundo casamento se transformaram em compositores respeitados. Entre eles se destacaram Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784), que segundo o patriarca era o mais talentoso de seus filhos, Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788), de quem Mozart tinha uma opinião excelente, e que viria ser o Bach mais famoso de sua época, e Johann Christian Bach (1735-1782) que ficou famoso na inglaterra. Entretanto, a confiança que Bach pôs em um Wilhelm Friedemann teve tristes conseqüências depois de seu falecimento. Friedemann possuía uma personalidade evasiva, nunca se fixando nos empregos, e muitas vezes em dificuldades financeiras. Essas dificuldades levaram-no, muitas vezes, a vender várias partituras de seu pai. Nesse processo perderam-se para sempre várias paixões compostas por Johann Sebastian (quem sabe agora fossem elas tão apreciadas como a Paixão segundo São Mateus e a Paixão segundo São João). Se não tivesse sido o cuidado que teve Carl Phillip Emanuel Bach em conservar os manuscritos de seu pai, o mundo poderia ter sido privado de uma boa parte das obras primas de Bach.

Um aspecto impressionante da vida de Bach é que o compositor teve pouco reconhecimento em vida. Era tido por todos como um virtuoso do órgão, talvez o melhor de que se tinha notícia. Como compositor, porém, era considerado como antiquado e sem criatividade. Outros compositores, como Haendel e Tellemann, tiveram suas obras muito mais apreciadas. Na época que se seguiu a sua morte, Bach caiu no esquecimento. Seu filho Carl Phillip Emanuel teve então grande destaque como um dos fundadores do classicismo.

Alguns compositores e músicos conheciam e apreciavam a obra de Johann Sebastian Bach. Haydn, Mozart e Beethoven tiveram um grande apreço pelas obras de Bach.

Sua Obra

Entre as características sobressalentes de J. S. Bach encontra-se o domínio de complexos e engenhosos contrapontos. Teve seu ápice no gênero da fuga com a obra O Cravo Bem Temperado, que consiste em 48 prelúdios e fugas, sendo um prelúdio e uma fuga para cada tonalidade maior e menor. Outro trabalho importante é A Arte da Fuga, que ficou incompleto com a sua morte. Composto com a intenção de que fosse um conjunto de exemplos das técnicas de contraponto, A Arte da Fuga consta de 14 fugas com diferentes formas, pois todas com o mesmo tema básico.

Também despertam bastante interesse seus concertos, que Bach compôs baseando-se na forma dos concertos de Antonio Vivaldi, compositor e violinista italiano contemporâneo de Bach (sete anos mais velho que ele). Assim por exemplo os concertos de Brandenburgo caracterizam-se por estarem dedicados cada um a um grupo diferente de instrumentos solistas.

Bach escreveu muitas de suas músicas para a igreja luterana: em particular suas cantatas foram compostas para as missas dominicais, e suas paixões para as cerimônias de Sexta-feira Santa.

Variações Goldberg (var. 7)Além das citadas, outras obras célebres de Bach são as Variações Goldberg, as suites para orquestra, as suites para violoncelo, os concertos para violino e a Missa em Si menor.

A re-estréia da Paixão Segundo São Mateus, por iniciativa de Meldelssohn em 11 de Março de 1829, deu um grande impulso na divulgação da música de Bach.

Bach teve numerosos alunos e estudantes ao longo de sua vida. Entre eles se conta Johann Friedrich Agricola.

Obras para Órgão

Durante a sua vida Bach tornou-se mais conhecido como organista, consultor e construtor de órgãos e Compositor de trabalhos para órgão todos em gêneros livres (tais como: Prelúdios, Fantasias e Tocatas) e formas proscritas como prelúdios corais. Apesar de sua falta de treinamento formal como organista, Bach logo cedo estabeleceu sua reputação por sua criatividade e habilidade em integrar aspectos de muitos estilos nacionais diferentes dentro de seu trabalho organístico. Uma influência decididamente norte-alemã foi exercida por Georg Böhm, com quem Bach manteve contato em Lüneburg, e Buxtehude em Lübeck, quando o jovem organista o visitou em 1704 em uma licença estendida de seu trabalho em Arnstadt. Neste período Bach copiou os trabalhos de numerosos compositores franceses e italianos de forma a ampliar sua capacidade dentro dessas linguagens composicionais, e mesmo depois arranjou muitos concertos para violino de Vivaldi e outros para órgão.

Seu período mais produtivo (1708-1714) viu não somente composições de muitos pares de prelúdios e fugas e toccatas e fugas, mas também a composição do Orgelbüchlein ("pequeno livro para órgão"), uma coleção incompleta de 49 prelúdios corais curtos feitos para demonstrar varias técnicas composicionais que poderiam ser usadas em arranjos de melodias corais. Após deixar Weimar, a produção organistica de Bach caiu, embora seus trabalhos mais conhecidos (as seis trio-sonatas, o livro III da pratica para instrumento de teclado de 1739, e os Corais "Grande Dezoito" revisados muito tarde na vida dele.) foram todos compostos após esse período. Bach esteve também muito empenhado depois em sua vida como consultor em vários projetos de construção de órgãos, testando órgãos recentemente construídos, e tocando órgão em recitais vespertinos.

A Chaconne da Partita nº2 em Ré menor - para violino solo (BWV 1004)

Esta monumental Chaconne (Ciacona) é o 5º movimento da partita nº 2 para violino solo (e o seu movimento final) e é considerado um monumento da música europeia, tendo-se tornado num dos pilares da literatura para violino. A Chaconne é um dos poucos trabalhos de variações de Bach e é possivelmente o maior conjunto de variações alguma vez escrito para um só instrumento. As únicas outras variações que se aproximam da sua perfeição são as Variações Goldberg. E muitos músicos são de opinião que, mesmo que Bach só tivesse composto estas duas peças, já mereceria ser considerado um dos maiores compositores de todos os tempos.

De acordo com a musicologista alemã Helga Thoene, cada um dos movimentos da Partita nº2 é inspirado num coral religioso associado à meditação sobre a morte. Dentro da harmonia da Chaconne estão as notas do coral "Christ lag in Todesbanden" (Cristo jaz sujeito à morte) que representa a intensa tristeza da morte e a esperança de uma vida eterna. Segundo ela, Bach terá provavelmente composto a Partita nº2 como um memorial fúnebre à sua primeira mulher [1].

O Sistema de numeração BWV

O registro das obras de Bach foi elaborado por Wolfgang Schmieder e é conhecido pelas siglas "BWV", que significam Bach Werke Verzeichnis ('Catálogo de Obras de Bach'). O catálogo foi publicado em 1950 e os números BWV algumas vezes são chamados como números de Schmieder. Uma variante desse sistema usa S no lugar de BWV, significando Schmieder.

O catálogo é organizado mais tematicamente do que cronologicamente; BWV 1-222 são as cantatas, BWV 225-248 as obras corais feitas em larga-escala. BWV 250-524 corais e canções sacras, BWV 525-748 obras para orgão, BWV 772-994 outras obras para instrumentos de teclado, BWV 995-1000 musica para alaúde, BWV 1001-1040 música de câmara, BWV 1041-1071 música orquestral e BWV 1072-1126 cânones e fugas. Para a compilação do catálogo, apesar de quase metade da obra de bach ter sido perdida ao longo do tempo, Schmieder seguiu grande parte da "Bach Gesellschaft Ausgabe" (edição da sociedade Bach), uma ampla edição dos trabalhos do compositor produzida entre 1850 e 1905.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Antonio Vivaldi

Mensagem  Convidad em 20/6/2007, 05:26

Antonio Lucio Vivaldi (Veneza, 4 de Março de 1678 — Viena, 28 de Julho de 1741) foi um sacerdote e compositor de música barroca italiana.

O seu pai, um barbeiro mas também um talentoso violinista (alguns chegam a considerá-lo como um virtuoso), ajudou-o a iniciar uma carreira no mundo da música e foi responsável pela sua admissão na orquestra da Basílica de São Marcos, onde se tornou no maior violinista do seu tempo.

Em 1703, Vivaldi tornou-se padre, vindo a ser apelidado de Il Prete Rosso ("O Padre Vermelho"), muito provavelmente devido ao seu cabelo ruivo. Em 1704, foi-lhe dada dispensa da celebração da Santa Eucaristia devido à sua saúde fragilizada (aparentemente sofreria de asma), tendo-se voltado para o ensino de violino num orfanato de moças chamado Ospedale della Pietà em Veneza. Pouco tempo após a sua iniciação nestas novas funções, as crianças ganharam-lhe apreço e estima; Vivaldi compôs para elas a maioria dos seus concertos, cantatas e músicas sagradas.

Em 1705, a primeira colecção (raccolta) dos seus trabalhos foi publicada. Muitos outros se lhe seguiram. No orfanato, desempenhou diversos cargos interrompidos apenas pelas suas muitas viagens, e, em 1713, tornou-se responsável pelas actividades musicais da instituição. Vivaldi foi realmente um compositor prolífico e a sua fama deve-se sobretudo à composição das seguintes obras:

* mais de quinhentos concertos (210 dos quais para violino ou violoncelo solo), dos quais se destaca o seu mais conhecido e divulgado trabalho, Le quattro stagioni (As quatro estações),
* 46 óperas,
* sinfonias,
* 73 sonatas,
* música de câmara (mesmo se algumas sonatas para flauta, como Il Pastor Fido, lhe tenham sido erradamente atribuídas, apesar de compostas por Cedeville),
* música sacra (oratorio Juditha Triumphans, composta para a Pietá; dois Gloria; Stabat Mater; Nisi Dominus; Beatus Vir; Magnificat; Dixit Dominus e outros).

Menos conhecido é o facto de a maior parte do seu repertório ter sido descoberto apenas na primeira metade do século XX em Turim e Génova, mas publicado na segunda metade. A música de Vivaldi é particularmente inovadora, quebrando com a tradição consolidade em esquemas; deu brilho à estrutura formal e rítmica do concerto, repetidamente procurando contrastes harmónicos, e inventou melodias e trechos originais.

Ademais, Vivaldi era francamente capaz de compôr música não acadêmica, apreciada supostamente pelo público geral, e não só por uma minoria intelectual. A alegre aparência dos seus trabalhos revela uma alegria de compôr. Estas estão entre as razões da vasta popularidade da sua música. Esta popularidade rapidamente o tornou famoso em países como a França, na altura muito fechada nos seu valores nacionais.

Johann Sebastian Bach foi deveras influenciado pelo concerto e Aria de Vivaldi (revivido nas sua Paixões e cantate). Bach transcreveu alguns dos concertos de Vivaldi para teclas solo, bem como alguns para orquestra, incluindo o famoso Concerto para Quatro Violinos e Violoncelo, Cordas e Continuo (RV580). Contudo, nem todos os músicos demonstraram o mesmo entusiasmo: Igor Stravinsky afirmou em tom provocativo que Vivaldi não teria escrito centenas de concertos mas um único, repetido centenas de vezes.

Apesar do seu estatuto de sacerdote, é suposto ter tido vários casos amorosos, um dos quais com a cantora Anna Giraud, com quem Vivaldi era suspeito de manter uma menos clara actividade comercial nas velhas óperas venezianas, adaptando-as apenas ligeiramente às capacidades vocais da sua amante. Este negócio causou-lhe alguns dissabores com outros músicos, como Benedetto Marcello, que terá escrito um panfleto contra ele.

Vivaldi, tal como muitos outros compositores da época, terminou sua vida em pobreza. As suas composições já não suscitavam a alta estima que uma vez fizeram em Veneza; gostos musicais em mudança rapidamente o colocaram fora de moda, e Vivaldi terá decidido vender um avultado número dos seus manuscritos a preços irrisórios, por forma a financiar uma migração para Viena. As razões da partida de Vivaldi para Viena não são claras, mas parece provável que terá querido conhecer Carlos VI, que adorava as suas composições (Vivaldi dedicou La Cetra a Carlos em 1727), e assumiu a posição de compositor real na Corte Imperial.

Contudo, pouco depois da sua chegada a Viena, Carlos viria a morrer. Este trágico golpe de azar deixou o compositor desprovido da protecção real e de uma fonte de rendimentos. Vivaldi teve que vender mais manuscritos para se governar, e terá eventualmente falecido não muito tempo depois, em 1741. Foi-lhe dada uma sepultura anônima de pobre (a missa de Requiem na qual o jovem Joseph Haydn terá cantado, no coro). Igualmente desafortunada, sua música viria a cair na obscuridade até aos anos de 1900.

Apesar de todos os detractores, de todas as críticas negativas que Vivaldi recebeu, o seu talento é inegável, foi o compositor que inventou, ou pelo menos, estabeleceu a estrutura definitiva do concerto e da sinfonia. A sua facilidade na escrita era impressionante, escrevia tão rápido quanto a pena o permitia. Consta que demorava a escrever um novo concerto em menos tempo que um copista a copiá-lo.

A ressurreição do trabalho de Vivaldi no século 20 deve-se sobretudo aos esforços de Alfredo Casella, que em 1939 organizou a agora histórica Semana Vivaldi. Desde então, as composições de Vivaldi obtiveram sucesso universal, e o advento da "actuação historicamente informada" conseguiu catapultá-lo para o estrelato novamente. Em 1947 o empresário veneziano Antonio Fanna fundou o Istituto Italiano Antonio Vivaldi, com o compositor Gian Francesco Malipiero como seu director artístico, e o propósito de promover a música de Vivaldi e publicar novas edições dos seus trabalhos.

A música de Vivaldi, juntamente com a de Mozart, Tchaikovsky, Corelli e Bach foi incluída nas teorias de Alfred Tomatis sobre os efeitos da música no comportamento humano, e usada em terapia musical.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Grandes compositores - Biografias

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum